Hidrelétricas registram em 2015 o janeiro mais seco em 85 anos

Hidrelétricas registram em 2015 o janeiro mais seco em 85 anos

O volume de chuva que chegou aos reservatórios das principais hidrelétricas do país em janeiro de 2015 foi o mais baixo para o mês dos últimos 85 anos, apontam dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) aos quais o G1 teve acesso.

De acordo com o órgão, a chuva registrada em janeiro foi equivalente a 38,04% da média para o mês, o pior índice do histórico que começa em 1931. Antes, o volume mais baixo havia sido verificado em 1953, quando a chuva correspondeu a 44,6% da média histórica.

 

Esse volume de água foi registrado nas represas de hidrelétricas do Sudeste e Centro-Oeste, que juntas respondem por cerca de 70% da capacidade do país de gerar eletricidade.

Já é o terceiro ano seguido, portanto desde 2013, em que os meses de janeiro são mais secos que o esperado. No ano passado, a chuva foi equivalente a 53,43% da média histórica e, no ano anterior, a 83,32%.

Estiagem em período úmido
A estiagem atinge o Sudeste e Centro-Oeste em pleno período úmido, que vai de novembro a abril, época em que costuma chover mais intensamente nessas regiões. O resultado é que, ao invés de subir, como seria o esperado, os níveis de armazenamento dos reservatórios das hidrelétricas instaladas ali têm caído.

 

No último dia 31 de janeiro, essas represas estavam com armazenamento médio de 16,8% da capacidade total. Um mês antes, em 31 de dezembro de 2014, esse índice era de 19,4%. Um ano atrás, em 31 de janeiro de 2014, era de 40,3%, valor que já é considerado baixo para o mês.

Essa situação vem gerando aumento da preocupação quanto um possível novo racionamento de energia no país, como o que foi decretado em 2001, durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. O governo Dilma Rousseff nega, por enquanto, que a medida seja necessária.

O diretor-geral do ONS, Hermes Chipp, disse em novembro que os reservatórios das hidrelétricas do Sudeste e Centro-Oeste precisam chegar ao final de abril com armazenamento entre 30% e 35% para que o fornecimento de energia no país ao longo de 2015 esteja garantido.

Especialistas ouvidos pelo G1 em janeiro, porém, apontaram que a crise no setor elétrico é grave e que o governo deveria adotar com urgência medidas para economizar energia. Na época, a consultoria PSR informou que já é superior a 50% o risco de o país passar por um novo racionamento neste ano.

Termelétricas no limite
Por conta do baixo volume dos reservatórios das hidrelétricas, o país tem usado com mais intensidade as termelétricas, que geram energia por meio da queima de combustíveis como óleo e gás. Hoje essas usinas atendem a cerca de 20% da demanda do país e estão no limite.

A eletricidade produzida pelas termelétricas é mais cara e o uso delas provoca aumentos nas contas de luz, que já estão sendo vistos pelos consumidores. Entretanto, se não fosse por elas, o país já estaria sob um racionamento.

Alta na conta de luz
A situação das hidrelétricas também tem provocado a disparada no preço da energia no país, devido principalmente ao uso mais intenso das termelétricas. Movidas a combustíveis como óleo e gás, essas usinas contribuem para economizar água dos reservatórios, porém a eletricidade gerada por elas é mais cara.

Essa conta extra já vem se refletindo em aumentos ainda maiores nas contas de luz. Na terça (3), a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorizou os primeiros reajustes de 2015 e, no caso de algumas distribuidoras, foi superior a 40%.

 
 
 

G1