Helton Renê não acredita que greve vá se prolongar e orienta clientes sobre cobrança de juros e multa

Helton Renê não acredita que greve vá se prolongar e orienta clientes sobre cobrança de juros e multa

O secretário de Proteção e Defesa do Consumidor de João Pessoa, Helton Renê, explicou que o PROCON não vai adentrar a questão trabalhista da greve dos bancários, mas sim, tomar as medidas cabíveis no caso ao fim da greve caso os bancos cobrem juros e multa.


Em entrevista ao Sistema Arapuan de Comunicação, Renê explicou que a ideia do PROCON é minimizar o transtorno que já é algo latente nesta greve. “A população já está sentindo”, diz.  Porém, “a Secretaria não vai adentrar na questão trabalhista que é direito dos trabalhadores e inclusive uma das reivindicações é a contratação de mais pessoas que é o que vemos com relação ao sistema bancário, ele é extremamente opressor, ele não é opressor só ao consumidor, mas ao próprio trabalhador com excesso de carga trabalhista ele com certeza vai ter consequência direta ao consumidor e estamos trabalhando em cima disso para minimizar os problemas”, conta.


O secretário pediu aos consumidores que tenham ‘muita calma nessa hora’, muita cautela ao fazer os pagamentos, procurar fazer através dos correspondentes bancários, as lojas que tem contato direto com as agências bancárias, através da internet, lotéricas.


“Porém, se o consumidor não tem acesso a pagamento de algumas faturas por questões de vultuosidade das faturas, ele não deve se preocupar, tem que entrar em contato com o banco, pegar seu protocolo de atendimento, porque ele não deverá pagar qualquer tipo de multa ou juros durante esse período porque ele está impedido de fazer seus pagamentos. É bom que o consumidor resguarde suas finanças, deve guardar seu dinheiro para no momento exato após a greve, ele pode saldar a dívida sem um ônus maior”, explica.


Renê explicou que se não tem condições de pagar tem que entrar em contato com a central de relacionamento do seu banco e solicitar o protocolo de atendimento informando que ele não teve condições de fazer o pagamento e qual a solução que o banco vai dar, se não vier, ele está resguardado com esse protocolo. Caso venha juros e multa ele pode procurar o PROCON para serem tomadas as medidas cabíveis.


A greve não deve se prorrogar, acredita o seretário, pois após uma conversa com o sindicato, Renê frisou que eles estão compenetrados na greve e sabem da responsabilidade social. “Falei para eles ponderarem, mas infelizmente o sistema bancário é esse. É opressor, eles fazem udo so direito deles mas a greve não deve se prolongar”, explica.


A respeito dos 30% do contingente de greve, o secretário afirmou que pediu sensibilidade ao comando, pois há pessoas de idade que ‘não tem fôlego’ para aguentar até o final do mês. “Nossa intenção é fazer com que eles tenham o direito deles, mas não podar o direito alheio, principalmente de quem mais necessita”, conclui.

 
 


Marília Domingues com Fernando Braz