Greve de funcionários do INSS tem adesão de 90%, estima federação

Greve de funcionários do INSS tem adesão de 90%, estima federação

A greve dos funcionários do INSS dura três semanas e já conta com a adesão de aproximadamente 90%, segundo estimou na manhã desta quinta-feira (30) a Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social (Fenasps).

No entanto, de acordo com boletim mais recente do Ministério da Previdência Social, a adesão é de 15,34% dos servidores.

Os funcionários pedem um reajuste salarial de 27,5% imediato, com aumento gradual durante os próximos quatro anos. Eles também querem melhorias nas condições de trabalho e no atendimento à população.

O Ministério do Planejamento propôs um reajuste de 21,3%, dividido em parcelas nos próximos anos, e as negociações ainda continuam. 

Segundo a diretoria da federação, nesta manhã, representantes do sindicato se reuniram com a presidente do INSS para "tratar de questões mais técnicas sobre a gestão da instituição".

 

Proposta
À tarde, haverá um novo encontro, desta vez com a equipe do Ministério da Previdência, quando deverá ser apresentada uma proposta formal à categoria. Na semana seguinte, uma nova reunião poderá decidir o rumo da paralisação nacional.
 
A greve já atinge 100% das agência do Acre. A informação foi confirmada pela liderança do movimento e também pelo órgão. Nesta quinta (30), os servidores decidiram dar uma pausa nos protestos e aguardar um posicionamento do governo federal.

 

O líder do movimento, Kennedy Afonso, acredita que nos próximos dias deve haver uma negociação e um posicionamento favorável para a categoria. "Hoje [quinta-feira] devemos ter um posicionamento definitivo. Então, achamos por bem parar com a movimentação até sexta-feira, quando vamos nos reunir para decidir o futuro da greve", destaca.


 

Gestores das agências do INSS param as atividades por 48h em Alagoas em solidariedade aos demais funcionários que estão em greve desde o dia 10 de julho deste ano. A paralisação atinge todas as 26 agências do órgão no estado. Apenas 30% dos serviços foram mantidos.

 

Segundo o vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Seguridade Social e Trabalho no Estado de Alagoas (Sinprev-AL), Célio dos Santos, os gestores também estão insatisfeitos com as condições de trabalho e metas que não vêm sendo atingidas nas agências.


Greve dos servidores do INSS na agência Macapá (Foto: John Pacheco/G1)Greve dos servidores do INSS em agência de
Macapá (Foto: John Pacheco/G1)

 

Em greve há 23 dias, os servidores suspenderam nesta quinta-feira todos os atendimentos nas seis unidades do estado que eram mantidos de forma parcial.

 

Ao todo, 135 funcionários do Amapá não estão fazendo atendimentos de serviços de auxílio-doença, pensão e pedidos de aposentadoria. O movimento de greve se concentrou na agência do INSS de Macapá, que gerencia os serviços das outras cinco, em Santana, Laranjal do Jari, Porto Grande, Amapá e Oiapoque.

A associação dos servidores informou que o atendimento de auxílio-doença volta a ser ofertado na sexta-feira (31). Além disso, outros atendimentos serão feitos mediante marcação prévia, que pode ser feita pelo telefone ou internet.


 

Os servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) na Bahia ainda não têm previsão de retomada das atividades. Na tarde desta quinta-feira (31), o Sindicato dos Trabalhadores Federais em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social no Estado da Bahia (Sindiprev-BA) informou que a categoria não aceita a proposta do Governo, que oferece reajuste salarial de 21,3% – eles pedem 27,5%.

 

Conforme o Sindiprev-BA, a próxima assembleia da categoria está marcada esta sexta-feira (31), às 14h.

 

 

 

G1