Governo vê carta de Temer como caminho para rompimento

Governo vê carta de Temer como caminho para rompimento
O governo avalia que a carta de Michel Temer enviada à presidente Dilma, recheada de queixas ao tratamento recebido por ele e pelo PMDB desde 2011, representa o descolamento político que pode levar à ruptura do vice com a presidente. Além dos adjetivos usados e episódios relatados na carta, chamou a atenção o fato de ele ter afirmado, ao jornalista Jorge Bastos Moreno, que há, sim, fundamento jurídico para o acolhimento ao pedido de impeachment, feito por Eduardo Cunha.
 
 
Para o governo, Temer está claramente se posicionando no tabuleiro político como um polo de poder - o que faltava até aqui.  "Ter problema com o vice nesta hora é muito ruim", reconhece um assessor direto da presidente.
 
 
Ao mesmo tempo, ao revelar suas mágoas com o governo, Temer volta a se aproximar de Eduardo Cunha e, ainda, cria "uma cortina de fumaça em torno do embate real, que é com o presidente da Câmara", avaliou um ministro com gabinete no Palácio do Planalto. Desde que Cunha acolheu o pedido de abertura de processo de impeachment contra Dilma, o discurso do Palácio tem sido o de que este foi um gesto de vingança e produziu o embate do "bem contra o mal".
 
 
A ideia do governo é não responder a carta de Temer. No máximo, Dilma pode enviar um registro sobre o recebimento, mas sem fazer considerações sobre as queixas feitas pelo vice, mas apenas registrando que "recebe as críticas com humildade". Para um ministro, chamar Temer para uma conversa também poderia alimentar o assunto.
 
 
 A esta altura, a discussão nos bastidores é sobre qual o lado fez vazar a carta. Temer acusa o governo, como fez sua assessoria por meio das redes sociais, ainda na noite de ontem. Mas no Planalto, isso é totalmente rechaçado.
 
 
Segundo um ministro, a presidente recebeu a carta e ficou com ela, sem repassar a ninguém. À noite, quando ela enfim mostrou o conteúdo aos ministros com quem tratava da defesa jurídica a ser enviada à Câmara e também discutia qual deveria ser sua reação, Dilma teria sido informada pelo ministro Edinho Silva que trechos da carta e depois a totalidade dela já estava disponível nas redes.
 
 
- A presidente tomou o cuidado de não entregar a carta na mão de ninguém. Ficou com ela exatamente para não ser acusada de vazamento - o que havia acontecido na véspera, com relação à carta de demissão do então ministro Eliseu Padilha- .
 
 
Para assessores da presidente, a estratégia do PMDB foi a mesma - divulgar a notícia e depois cobrar do governo.
 
 
 
 
G1