Governo incentiva apicultura e oferece alternativa de renda para famílias da zona rural

Governo incentiva apicultura e oferece alternativa de renda para famílias da zona rural

O Governo do Estado, por meio do Projeto Cooperar, em parceria com o Banco Mundial, implantou nos últimos quatro anos 25 projetos de coleta e extração de mel com um investimento de R$ 2,7 milhões, beneficiando 626 famílias diretamente, segundo informou o especialista em apicultura do órgão, José Estrela de Oliveira, na palestra Ações Estratégicas no Fortalecimento da Apicultura e Meliponicultura, na manhã desta segunda-feira (21), na Expofeira Paraíba Agronegócios 2015, que acontece até o próximo domingo no Parque de Exposições em João Pessoa.

Durante a palestra, José Estrela falou da importância da atividade como fonte de renda e inclusão social no meio rural, que impulsionou a organização de cooperativas e associações, gerou emprego e renda, melhorou o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), formalizou novas parcerias no setor produtivo e ainda fortaleceu a cadeia produtiva da apicultura e meliponicultura.

O especialista também lembrou que o Governo do Estado, em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), investiu ainda R$ 1,1 milhão na instalação de três entrepostos de mel em Aparecida, Poço José de Moura e Salgado de São Félix para beneficiar e envasar a produção.

Projeto exitoso - Produzir mel foi um grande negócio para o produtor Marcos Antônio Martins, do município de Triunfo, no Alto Sertão da Paraíba. Em dez anos da atividade, conseguiu incrementar a produção em 14.900%, migrando de 40 kg de mel por ano em 2005 para 6 toneladas no ano passado, e a lucratividade só veio dois anos após a implantação da atividade em 2005.

Ele lembrou que o preço de mercado do quilo de mel, quando iniciou a atividade, chegava a atingir R$ 3,00 e hoje custa em média, R$ 7,60. Apesar da estiagem, segundo Marcos, a atividade desponta como outra alternativa de lucro a partir da produção de cera, que chega a custar R$ 35,00 o quilo. No ano passado, atingiu a produção de 2 toneladas do produto, e mesmo no período de falta de chuvas, esse ano, já conseguiu produzir 1 tonelada de cera e 3 toneladas de mel.

“Com a infraestrutura proporcionada pelo Cooperar e capacitação pelo Sebrae e Senar, conseguimos melhorar muito a produção para ter preços competitivos, tanto no mercado local, como nacional. Hoje, estou muito satisfeito com a atividade. Se você se preparar, mesmo com o mínimo de chuvas, você consegue produzir”, destacou Marcos Martins.

O apicultor, que também é presidente da Federação Paraibana dos Apicultores e Meliponicultores (Fepan), revelou que no ano passado a Paraíba conseguiu produzir 500 toneladas de mel.

 

Secom-PB