Governador afirma que PM agiu dentro da lei ao prender acusados pelo assassinato de cabo da PM

Governador afirma que PM agiu dentro da lei ao prender acusados pelo assassinato de cabo da PM
O governador Ricardo Coutinho afirmou na tarde desta segunda-feira (8) que a Polícia Militar agiu dentro da lei ao prender todos os acusados de ter assassinado um cabo da PM durante um assalto ocorrido na madrugada do último sábado (6) em posto de combustível.

As declarações foram dadas pelo governador durante o seu programa semanal. Ele também negou que tenha havido excessos na ação que prendeu e apreendeu suspeitos de matar um policial em Patos.

Durante o Fala Governador, RC afirmou que houve distorções de interpretação acerca do transporte dos presos até a delegacia, já que os acusados foram levados em carros abertos e com várias pessoas pelas ruas foi chamado de “desfile”.

Mais uma vez o governador destacou o empenho de sua gestão em combater a criminalidade e considerou exitosa a operação policial do fim de semana.

Sobre o caso - O Cabo da Polícia Militar, Ubirajara Moreira Dias , conhecido por Bira,  lotado no 3º Batalhão de Polícia Militar (3º BPM), em Patos, foi assassinado na madrugada deste sábado, dia 06, por volta das 03h40, quando abastecia a moto em que ele trabalhava também como mototaxista.

O fato aconteceu durante um assalto ao Posto Almeidão, Rua Manoel Mota, Bairro Monte Castelo, em Patos, quando três homens encapuzados anunciaram o assalto ao referido posto. Todos os funcionários foram presos pelos assaltantes em uma das salas do Posto Almeidão.

O Cabo Ubirajara, que abastecia a moto dele, presenciando o fato criminoso resolveu reagir sacando a própria arma em direção aos criminosos que fizeram disparos atingindo o Cabo da PM com um disparo fatal. De acordo com informações, Ubirajara estava com um possível passageiro que também teria sido feito refém juntamente com o Cabo e os demais funcionários do Posto Almeidão.

Após cometerem o crime, os assaltantes saíram do local tomando destino ignorado levando também a moto do Cabo Ubirajara. A vítima ficou agonizando caído ao chão até a chegada do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). Quando a equipe do SAMU chegou confirmaram que o disparo havia sido fatal.

Cabo Ubirajara prestava serviço no Presídio Procurador Romero Nóbrega, em Patos, e era considerado um homem trabalhador e um policial dedicado à profissão que exercia. O trabalho como mototaxista pelas ruas de Patos complementava a renda dele. O assassinato do Cabo Ubirajara está sendo profundamente lamentado pela corporação militar. O Cabo da PM deixa viúva e filhos.

 

 

 

Redação