Google revela identidade de usuário após identificar pornografia infantil no Gmail

Google revela identidade de usuário após identificar pornografia infantil no Gmail
O Google revelou a identidade de um usuário depois de descobrir imagens de abuso infantil em sua conta do Gmail, em Houston, Texas, de acordo com a imprensa local.


A empresa alertou uma agência de proteção à criança, que notificou a polícia, e o homem foi preso, segundo o KHOU 11 News.


O Google informou à BBC que não iria comentar sobre contas individuais.


A prisão levanta questões sobre a privacidade de e-mail pessoal e o papel do Google no policiamento da web.


A polícia de Houston disse ao canal de notícias local que o Google detectou imagens explícitas de uma menina em um e-mail enviado por John Henry Skillern. O Centro Nacional para Crianças Desaparecidas e Exploradas informou à polícia sobre o e-mail, que obteve um mandado de busca e prendeu o homem.


O homem, de 41 anos, é um criminoso sexual condenado. Ele foi acusado de posse de pornografia infantil, segundo o noticiário local.


"Eu não posso ver essa informação, eu não posso ver a foto, mas o Google pode", disse o detetive David Nettles.


O Google também se recusou a dizer se vasculha o conteúdo do Gmail de seus usuários para outras atividades ilegais, como pirataria ou o discurso de ódio.


'Identificar proativamente'


David Drummond, o diretor jurídico do Google, já havia dito que o Google ajuda a financiar a Internet Watch Foundation (IWF), que tem a tarefa de "identificar proativamente imagens de abuso infantil que o Google pode, então, retirar do nosso sistema de busca".


O Google trabalha intensamente com a IWF e o Centro Nacional para Crianças Desaparecidas e Exploradas, disse ele, acrescentando: "Nós construímos uma tecnologia que vasculha outras plataformas em busca de imagens conhecidas de abuso sexual de crianças. Podemos, então, removê-los de forma rápida e denunciar a sua existência às autoridades".


O Google digitaliza automaticamente contas de e-mail para fornecer anúncios dentro do Gmail, que tem mais de 400 milhões de usuários no mundo todo.


Em abril, o Google atualizou seus termos e condições para dizer que "nossos sistemas automatizados analisam o seu conteúdo (incluindo e-mails) para fornecer-lhe recursos de produto relevantes pessoalmente, como resultados personalizados de busca, publicidade sob medida e spam e detecção de malware. Esta análise ocorre quando o conteúdo é enviado, recebido e quando é armazenado."


Isso ocorreu após um processo de ação coletiva contra a empresa sobre a digitalização de e-mail ser indeferido no início deste ano. Na época, o Google disse que "uma pessoa não tem expectativa legítima de privacidade em informações que voluntariamente entrega a terceiros".


Em abril, o Google também parou a digitalização de mais de 30 milhões de contas do Gmail ligados a um esquema educacional após relatos de que os exames poderiam ter violado uma lei de privacidade dos EUA.


O Facebook também tem enfrentado uma ação coletivas sobre digitalização de mensagem.
 
 

Uol