Geógrafo diz que litoral paraibano não está preparado para tsunami e nem há rota de fuga

Geógrafo diz que litoral paraibano não está preparado para tsunami e nem há rota de fuga

Um mega terremoto do outro lado do Oceano Atlântico poderia levar a uma erupção vulcânica nas Ilhas Canárias e um consequente tsunami atingiria a região do litoral paraibano, de acordo com o geógrafo Williams Lima. A partir da explosão nos vulcões da ilha, será jogado “material no oceano de uma forma tão violenta que essas ondas podem se propagar por quilômetros de distância até chegar aqui”, explica o geógrafo.

Para Williams Lima, “seria imensurável o nível de perdas de vidaS que a gente poderia ter no nosso litoral”, devido à falta de preparação para situações como esta.

Catástrofes naturais assolam vários países do mundo e chegam a devastar cidades e dizimar milhares de pessoas. O Brasil não tem um sistema de prevenção a este tipo de calamidades e, portanto, não está preparado para lidar com desastres naturais. 

O litoral paraibano, que é o ponto mais oriental do país, é um dos lugares mais vulneráveis que pode ser atingido por alguma tragédia ambiental.

O que preocupa o geógrafo é também o fato de não ter equipamentos para prever este tipo de catástrofe e nem possibilidade de um plano de fuga eficaz da região costeira. Ele destaca que toda a população da região costeira teria que ser recuada pela BR-230. 

“Imagine uma situação como essa, toda uma população de uma região costeira como a nossa ter que canalizar, entrar nesse gargalo para sair para o interior do estado sem ter nenhum plano de contingência, sem ter nada previsto até então”, ressalta.

Além da falta de equipamento para prever tragédias, os órgãos públicos não estão preparados para realizar evacuação em massa, como adverte o professor Williams Lima. Para resolver a questão, o geógrafo sugere que as autoridades comecem a pensar e elaborar estratégias para o assunto, até mesmo com profissionais de países com mais experiência nestes eventos.

 

 

Click PB