Frei relaciona desembargador à morte do presidente do PT

Frei relaciona desembargador à morte do presidente do PT

O deputado estadual Frei Anastácio (PT) acusou, nesta sexta-feira (08), o desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da Paraíba (TRT13), Paulo Américo Maia Filho, de envolvimento na morte do presidente do PT de Mogeiro, Ivanildo Francisco da Silva, de 46 anos, ocorrida na noite da última quarta-feira (06), no assentamento Padre João Maria.

Além do desembargador, o deputado denunciou o envolvimento de proprietários de terras e latifundiários na morte.

“O grupo é formado pelos proprietários José Guilherme, dono da fazenda Paraíso; José Otávio Silveira, proprietário da fazenda Fazendinha; o jogador de futebol Ailton, de Mogeiro, além de Maria Luiza, dona da fazenda Salgadinho (ex-vice-prefeita de Mogeiro), Alexandre de Miranda, que comprou uma parte da fazenda Salgadinho e o desembargador do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da Paraíba, Paulo Américo Maia Filho, dono da fazenda Pau a Pique, em São José dos Ramos”, acusou o deputado.

Em nota, o desembargador negou qualquer tipo de envolvimento na morte. Maia disse que “não possui fazenda no município de Mogeiro e que sua pequena propriedade rural se localiza no município de São José dos Ramos”.

Confira a nota do desembargador

Por meio desta nota o Desembargador Paulo Maia Filho vem esclarecer que:

• Não possui fazenda no Município de Mogeiro e que sua pequena propriedade rural se localiza no Município de São José dos Ramos;

• Apesar da sua propriedade ter sido invadida por pessoas do Município de São José dos Ramos, diferente do que insinua o Deputado, tomou as providências legais cabíveis e obteve êxito, tendo a Justiça lhe concedido mandado de reintegração de posse que foi cumprido pela Polícia Militar do Estado da Paraíba e os invasores estão respondendo à inquérito policial, já em fase de conclusão;

• Por fim, esclarece que não conhecia a vítima em questão, de quem nunca tinha ouvido falar e tampouco conhece as pessoas citadas pelo Deputado como integrantes de um suposto grupo de proprietários rurais.

 

 

 

MaisPB