Expectativa de recuperar economia mundial em 2014 é frustrada, diz Dilma

Expectativa de recuperar economia mundial em 2014 é frustrada, diz Dilma

A presidente Dilma Rousseff afirmou na noite desta sexta-feira (14), manhã de sábado (15) na Austrália, que as expectativas de recuperação da economia mundial em 2014 são “frustradas”. Na avaliação de Dilma, o quadro econômico internacional “não avançou muito desde julho”. A presidente discursou em Brisbane, na Austrália, durante a abertura da reunião com chefes de estado dos Brics, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

“Infelizmente o quadro econômico mundial não avançou muito desde julho último. Chegamos ao final de 2014 vendo frustradas nossas expectativas iniciais de recuperação da economia mundial”, disse Dilma.

 

A presidente também comentou a criação do Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), assinada em julho pelos cinco países que compõem o Brics durante o último encontro do grupo, em julho em Fortaleza.

"Em meio às dificuldades da conjuntura internacional, foi fundamental que, em nosso último encontro, no Brasil, tivéssemos, aprovado a criação de dois importantes instrumentos - o Banco de Desenvolvimento dos BRICS e o Acordo Contingente de Reservas -, para potencializar nossa atuação econômica e financeira", declarou.

Dilma e os demais chefes de estado estão na Austrália para participar da cúpula do G20, que reúne as 20 principais economias do mundo. O primeiro evento da cúpula estava marcado para 10h deste sábado, no horário local. Como a Austrália está 12 horas a frente do Brasil devido ao fuso-horário, o primeiro encontro entre todos os chefes de estado do G20 deveria ocorrer às 22h de sexta, no horário de Brasília.

Ao longo do dia, também haverá almoço oferecido pelo primeiro-ministro da Comunidade da Austrália, Tony Abbott, e a 1ª Sessão Plenária da Cúpula do G20. Os eventos oficiais da cúpula seguem até domingo, quando Dilma também deverá ter encontros bilaterais com a chanceler alemã, Angela Merkel, e com o presidente da República opular da China, Xi Jiping. Ela deverá embarcar de volta para o Brasil às 15h de domingo, 3h no horário de Brasília.

A cúpula
Conforme informou o secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazeda, Carlos Cozendey, a Cúpula do G20 deste ano terá como tema principal a retomada do crescimento da economia mundial. A expectativa é de que o Brasil defenda em discursos a necessidade da retomada do crescimento global, por meio de medidas de médio e longo prazos.

Na reunião, é esperado ainda que a presidente reforce a necessidade de que países que têm espaço fiscal adotem medidas de crescimento a curto prazo. O Brasil apresentará interesse em apoiar os investimentos estrangeiros em projetos de infraestrutura, além de defender a implementação integral das normas de regulação financeira internacional.

O país também deverá participar de discussões sobre temas relacionados a tributação, emprego e comércio. Quanto às discussões sobre taxas de juros, o Brasil espera comunicar aos países do G20 quais serão as previsões de 2015.

 

 

G1