Ex-secretário estadual do Empreender beneficiou o próprio pai com quase meio milhão de reais...

Ex-secretário estadual do Empreender beneficiou o próprio pai com quase meio milhão de reais...
O Guia Eleitoral da Coligação 'A Vontade do Povo', veiculado pela TV nesta segunda-feira (15), mostrou um dos programas criado no governo de Cássio Cunha Lima (PSDB), e que no atual governo Ricardo Coutinho (PSB), mudou de prática e com tempo ganhou desvio e vícios. O Programa Meu Trabalho, que foi rebatizado no governo de Ricardo Coutinho de Empreender perdeu por completo o controle e agora aparece com diversas irregularidades contatadas pela Controladoria Geral do Estado (CGE).
Entre as irregularidades, está a falta de informação sobre 100% dos recursos dos contratos analisados. A Controladoria Geral do Estado comprovou que diversos endereços são incompatíveis com atividade comerciais. Um dos endereços é do Complexo Psiquiátrico Juliano Moreira, em João Pessoa e um outro é onde está localizada uma antena de telefona celular. A inadimplência do Empreender é de quase 100% e a taxa de retorno é de pouco mais de 7%, ou seja, para cada real financiado, o retorno é de apenas R$ 0,7 centavos.  Conforme o Sistema de Acompanhamento de Gestão do Tribunal de Contas do Estado, a maioria dos pagamentos do Empreender não chega a R$ 10 mil por contrato.
No Guia foi denunciado ainda que o próprio secretário executivo do Programa Empreender, Tárcio Handel da Silva Pessoa Rodrigues liberou recursos da ordem de R$ 405 mil, um dos maiores da história do programa ao Centro Universitário Aberto Mandalla, localizada no município de Cuité. O fato é que a ONG pertence a Willy Pessoa Rodrigues, pai de Tárcio que fez um expressivo gesto de beneficiamento de filho para pai.
 
Um novo programa
Conforme Cássio, o seu programa foi feito para apoiar os pequenos empreendedores e vai continuar com esse objetivo. Além do financiamento da linha de crédito, o programa vai oferecer também apoio para a formulação de projetos.
Fazer  parcerias com o Sebrae e outras instituições, como o SENAI, SENAC E SENAR para criar mecanismos de apoio para a elaboração do projeto e qualificação profissional. Fazer com o empreendedor algo semelhante ao que foi feito na gestão de Cássio, com os artesãos da Paraíba, que ganharam o Brasil e o mundo com  seu talento.
“O governo não pode garantir talento para ninguém, mas pode assegurar que quem tiver talento terá chances e instrumentos para desenvolvê-lo”, destacou.


Assessoria