Ex-jogador do Corinthians é preso por tentar furtar caixa eletrônico

Ex-jogador do Corinthians é preso por tentar furtar caixa eletrônico

O ex-jogador de futebol Rivelino Reginaldo Jandoso, conhecido como Piá, foi preso em flagrante na noite desta sexta-feira (14) tentando usar um “chupa cabra” em caixas automáticos de um banco na Vila Falcão, em Bauru (SP). De acordo com a Polícia Militar, ele e um comparsa foram flagrados tentando “pescar” os envelopes depositados na máquina.

A polícia foi acionada após o alarme da agência, que fica na rua dos Andradas, disparar. Quando chegaram ao local, policiais da Força Tática prenderam em flagrante Piá e Humberto de Oliveira Leite, que tentavam realizar o furto. De acordo com a polícia, a dupla teria agido também em outra agência no bairro Bela Vista.

Com a dupla os policiais apreenderam ferramentas e a peça usada para "pescar" os envelopes de dentro dos caixas. Piá estava com quase R$ 10 mil em cheques. Ele e o comparsa foram transferidos para o Centro de Detenção Provisória de Bauru.

O valor furtado não foi divulgado.

Antecedentes
Piá, que teve passagens por vários clubes paulistas como Corinthians, Santos e Ponte Preta, foi preso pela terceira vez por envolvimento no mesmo tipo de crime. Em abril, ele foi detido em flagrante na cidade de Americana.

Em janeiro do ano passado, o ex-jogador passou 21 dias no Centro de Detenção Provisória de Hortolândia depois de ser indiciado por tentativa de furto qualificado a um caixa eletrônico de Campinas. Foi liberado após a Justiça conceder habeas corpus e respondia o processo em liberdade provisória. Piá também já tinha passagens por porte de drogas e armas, além de falta de pagamento de pensão

O ex-meia já teve o nome envolvido em outros casos policiais. A primeira aconteceu em julho de 1999, quando ele, então atleta da Ponte Preta, foi indiciado como coautor do assassinato de um mecânico, em uma lanchonete de Limeira. A acusação era que Piá foi o responsável por dar a ordem para um primo pegar o revólver em seu carro e atirar na vítima. Ele foi absolvido.

Em janeiro do ano passado, o ex-jogador passou 21 dias no Centro de Detenção Provisória de Hortolândia depois de ser indiciado por tentativa de furto qualificado a um caixa eletrônico de Campinas. Foi liberado após a Justiça conceder habeas corpus e respondia o processo em liberdade provisória. Piá também já tinha passagens por porte de drogas e armas, além de falta de pagamento de pensão

O ex-meia já teve o nome envolvido em outros casos policiais. A primeira aconteceu em julho de 1999, quando ele, então atleta da Ponte Preta, foi indiciado como coautor do assassinato de um mecânico, em uma lanchonete de Limeira. A acusação era que Piá foi o responsável por dar a ordem para um primo pegar o revólver em seu carro e atirar na vítima. Ele foi absolvido.

Piá parou de jogar em 2011, aos 40 anos, pelo Aparecidense-GO. O último trabalho foi pelo União São João de Araras, no ano passado, como auxiliar técnico.

O auge da carreira foi entre 1999 e 2003, quando fez parte dos times da Ponte que atingiram as semifinais do Paulistão e também da Copa do Brasil e as quartas do Brasileirão.

Além de Ponte Preta, Corinthians e Santos, o jogador também jogou por clubes como Portuguesa, Santa Cruz, Coritiba, Inter de Limeira, Bragantino, São Raimundo, Rio Preto e Independente de Limeira.

 

 

G1