Estudo mostra que quem é casado tem maior tendência a engordar

Estudo mostra que quem é casado tem maior tendência a engordar

Que o casamento faz bem à saúde já se sabe: a ciência aponta que viver com um parceiro reduz o risco de doenças cardiovasculares e respiratórias, melhora a qualidade de vida e reduz o estresse.

Mas, quando se trata de manter o corpo em forma, são os solteiros que ganham –ainda que a alimentação deles não seja das melhores...

Um novo estudo, publicado no "Journal of Family Issues", concluiu que, em geral, solteiros e divorciados são mais magros do que pessoas casadas. A pesquisa se baseou em dados de entrevistas realizadas com norte-americanos ao longo de duas décadas, a partir de 1979.

  Danilo Verpa/Folhapress  
Rogério Pezzutto e Carol Gomes aproveitaram o nascimento da filha para adotar hábitos mais saudáveis
Rogério Pezzutto e Carol Gomes aproveitaram o nascimento da filha para adotar hábitos mais saudáveis

A hipótese do pesquisador Jay D. Teachman, professor de sociologia na Western Washington University, é que as pessoas descompromissadas têm um incentivo importante: o mercado da paquera.

Especialistas atestam que o desejo de encontrar alguém para chamar de seu é, sim, um dos motivos que levam muitos recém-divorciados e solteiros ao consultório.

Mas por que os casados têm mais tendência a engordar? O grande responsável, afirmam, são as mudanças no estilo de vida.

Além disso, enquanto os solteiros costumam ter tempo para a atividade física e encaram o jantar como mais uma refeição do dia, depois do casamento é comum deixar a malhação de lado para ficar em casa com o marido ou a mulher, afirma Cintia Cercato, presidente do departamento de obesidade da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia.

"O jantar também muda, porque é a refeição que eles fazem juntos. Passa a ser a melhor hora do dia, que o casal tenta prolongar repetindo a comida, bebendo um vinho."

Foi exatamente o que aconteceu com André Giglio, 35, de Salvador, que ganhou 10 kg nos três primeiros anos de casamento. O administrador, que no tempo de solteiro não tomava café da manhã e à noite comia no máximo um sanduíche leve, aumentou a participação na cozinha depois de se casar com a administradora Priscila Giglio, 35.

"As refeições que na época de namoro eram restritas ao fim de semana, como o risoto acompanhado de um vinho, se tornaram um hábito de todo dia", conta.

Priscila também ganhou peso, e aponta o dedo para a má alimentação do marido. A "transmissibilidade" dos maus hábitos pode parecer desculpa de quem caiu em tentação, mas estudos demonstram que é mais fácil ser influenciado por maus hábitos do que por bons, segundo Cercato.

"Antes de conhecer o André eu não sabia nem o que era milkshake", diz Priscila. Além de apresentá-la a "tudo o que engorda nessa vida", afirma, o marido preferia que ela pulasse a academia depois do trabalho para comer um fondue com ele em casa, por exemplo. "Se o marido não liga para o seu peso, você também não liga", justifica.

O chef de cozinha Mário Tucillo, 33, também reclama das "más influências". No caso dele, os "culpados" pelo ganho de peso são os amigos. "Antes ia mais a festas. Depois de casar, a maioria dos encontros com os amigos envolve comida", diz ele.

  Karime Xavier/Folhapress  
SÃO PAULO / SÃO PAULO / BRASIL - 24/05/16 -15 :00h - O chef de cozinha Mário Tucillo, que engordou depois de casar. ( Foto: Karime Xavier / Folhapress). ***EXCLUSIVO***EQUILÍBRIO
Mário Tucillo, 33, trocou as festas da vida de solteiro por programas que envolvem comida no casamento

Já a coordenadora operacional Débora Ramos, 29, não precisou nem dividir o teto para ganhar peso. Quando começou a namorar, trocou as pistas de dança pelo sofá e o arroz e feijão da avó por lanches rápidos. "Ficávamos vendo filme em casa e comendo muita besteira." Com o casamento, ganhou mais 7 kg.

Depois da separação, Débora emagreceu. "Troquei o fast food por salada, iogurte e frutas, coisas fáceis, mas saudáveis. Queria estar bonita para paquerar", conta.

Mas dá para ser casado e usar isso a favor da boa forma e da vida saudável. A chegada dos filhos, por exemplo, pode ser um momento de virada na alimentação do casal, como conta o engenheiro Rogério Pezzutto, 44. Ele aproveitou o nascimento da filha, hoje com oito anos, para dar mais atenção às refeições. "Queria dar a ela o exemplo", conta.

Os casados que desejam retomar a boa forma não devem perder a esperança, mas aproveitar a companhia para reverter a situação juntos.

"Se um faz dieta, e o outro não, é um problema. Sempre o que quer emagrecer acaba seguindo o que não quer", diz Ana Maria Pita Lottenberg, coordenadora do curso de pós-graduação em nutrição do hospital Albert Einstein.

A enfermeira Marcela Marrach, 27, que mora há pouco mais de um ano com Stephano Mendes, 28, que o diga. Depois de ficar muito mal-humorada com a dieta que ele fez para uma competição, os dois combinaram de fechar a boca há dois meses para curtir as férias em forma.

"A gente queria estar bem um para o outro, e fazer a dieta juntos foi muito melhor do que quando só ele queria emagrecer", comemora.

Morar sozinho, no entanto, não garante nada. Outro estudo recente, publicado na revista "Nutrition Reviews", avaliou 41 pesquisas para descobrir as diferenças na alimentação de adultos que vivem sozinhos e que moram com uma ou mais pessoas e concluiu que quem mora só costuma ter uma alimentação menos variada.

Os homens solitários são ainda mais inclinados aos maus hábitos que as mulheres, segundo a pesquisa.

 

 

 

 

 

Folha de São Paulo