Especialista paraibano em Alergia, Asma e Imunologia explica os efeitos colaterais da vacina H1N1

Especialista paraibano em Alergia, Asma e Imunologia explica os efeitos colaterais da vacina H1N1

Um dos mais renomados especialistas em Alergia Asma e Imunologia da Paraíba revelou hoje (2) ao ClickPB que  vacina H1N1, em geral, não provoca efeitos colaterais em pacientes. De acordo com o médico Roberto Lacerda, o número de pacientes que desenvolve alguma reação é muito pequeno e que na maioria da vez a cura é feita com antibiótico.

De acordo com o médico Roberto Lacerda, não há problemas algum em vacinar crianças, gestantes, idosos, mulheres com até 45 pós-parto e pessoas com doenças crônicas. Segundo ele, os graves efeitos colaterais são apenas boatos. 

“Em grupo pequeno, às vezes, se constata febre baixa e inchação no local onde foi aplicada a vacina. Em outro grupo, menor ainda, a reação pode ser a mesma, mas com febre alta, mas de pouca durabilidade. Em dois dias, no máximo, com antibióticos, o paciente volta ao normal”, garante..
De acordo com  a Secretaria estadual de Saúde, as vacinas influenza sazonais têm um perfil de segurança excelente e são bem toleradas.

Confirma, no entanto, que podem ocorrer algumas manifestações locais: como dor no local da injeção, eritema e enduração, Manifestações sistêmicas: febre, mal estar e mialgia.  

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe que começou oficialmente no último sábado atingiu na Paraíba 28,68% com 244.695 doses aplicadas. A meta total é vacinar 759.280 pessoas (80% do público-alvo) em todo o Estado. A campanha se estende até o dia 20 de maio.

A Secretaria estadual de Saúde não observou problemas no inicio da vacinação, apesar de haver registro de que faltaram vacinas em algumas cidades do interior. Em Santa Rita e Cabedelo, por exemplo, segundo relato, os postos de saúde encerraram as atividades antes do horário previsto por falta de doses. 

 

 

 

 

Click PB