Empresa perdoou dívida do PT por contrato com Petrobras, diz delator

Empresa perdoou dívida do PT por contrato com Petrobras, diz delator

O empresário Salim Schahin, acionista do Grupo Schahin, afirmou, em depoimento de delação premiada, que o contrato que o grupo assinou com a Petrobras para operar o navio-sonda Vitória 10.000 foi uma compensação do perdão de uma dívida que o PT tinha com as empresas do grupo.

Salim Schahin fechou acordo de delação premiada na semana passada em troca de redução de eventual pena no futuro. O acordo ainda não foi homologado pelo juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato em primeira instância.

A informação foi publicada na edição desta segunda-feira (16) do jornal "Folha de S. Paulo".

De acordo com a delação do empresário, em 2004, o Banco Schahin emprestou R$ 12 milhões ao empresário José Carlos Bumlai, que disse que o dinheiro era para o PT. Ainda segundo o empresário, para confirmar que o dinheiro era para o PT, Bumlai marcou uma reunião entre os acionistas do Grupo Schahin com o então tesoureiro do partido, Delúbio Soares.

Segundo a delação do empresário, Bumlai não pagou o financiamento e, em 2005, o banco fez outro empréstimo a ele para quitar a primeira dívida.

Dois anos após o segundo empréstimo, o Grupo Schahin teria se interessado pelo contrato para operar o navio-sonda da Petrobras. E, segundo Salim Schahin, Bumlai disse a ele que ajudaria na negociação entre o grupo e a estatal.

O contrato com a Petrobras foi assinado pela Schahin em 2009 no valor de US$ 1,6 bilhão, sem licitação. No depoimento de delação premiada, o empresário afirmou que a dívida que seria do PT com o Banco Schahin nunca foi paga mas foi perdoada no mesmo ano em que o grupo assinou o contrato de operação do navio-sonda com a Petrobras.

À Globo News, o advogado de José Carlos Bumlai confirmou que seu cliente pegou R$ 12 milhões emprestados com o Banco Schahin, em 2004. A defesa, porém, afirmou que o dinheiro seria para as empresas da família do empresário e não para o PT.

O advogado informou ainda que Bumlai pagou a dívida com o banco e negou a participação do empresário na negociação do contrato do navio-sonda entre a Petrobras e o Bancho Schahin.

O G1 tentou contato com a assessoria de imprensa do PT mas não conseguiu falar com ninguém até a publicação desta reportagem.

 

Schahin
A Schahin Engenharia foi citada pelo ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco em delação premiada. Barusco afirmou que a empresa era uma das que combinava preços em contratos com a estatal.
 

 

G1