Em viagem oficial, Cúpula do Congresso faz roteiro turístico incluindo 'o Lago dos Cisnes' no Bolshoi

Em viagem oficial, Cúpula do Congresso faz roteiro turístico incluindo 'o Lago dos Cisnes' no Bolshoi

 A viagem oficial de 20 congressistas brasileiros ao exterior, encabeçada pelos presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), inclui pelo menos oito mulheres dos parlamentares, roteiro turístico por Israel e Paris, além de uma sessão do balé "Lago dos Cisnes", no teatro Bolshoi, em Moscou.

O objetivo oficial principal da viagem é a participação dos deputados e senadores em uma reunião parlamentar dos BRICs (bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), na segunda-feira (8), na capital russa.

Parte da comitiva começou a viagem na noite de segunda (1º). Eduardo Cunha levou a mulher, Cláudia Cruz, e chefia uma delegação de 13 deputados federais, além de assessores e do ex-candidato à Presidência Pastor Everaldo (PSC), segundo roteiro da viagem elaborado pela Câmara.

A primeira parada do peemedebista foi em Israel, onde foi recebido com honras de chefe de Estado e se reuniu com o primeiro-ministro Binyamin Netanyahu.

Ele também esteve no Knesset, o Parlamento israelense, e foi citado pelo presidente da Casa, Yuli Edelstein, como uma espécie de sucessor do ex-chanceler Osvaldo Aranha, que presidiu a sessão oficial da ONU que selou a Partilha da Palestina, abrindo caminho para a criação do Estado de Israel, em 1947.

A comitiva é formada, basicamente, por aliados do presidente da Câmara, como os líderes das bancadas do PMDB, Leonardo Picciani (RJ), do DEM, Mendonça Filho (PE), do PTB, Jovair Arantes (GO), do PR, Maurício Quintela Lessa (AL), do PSC, André Moura (SE), do PPS, Rubens Bueno (SP), além do líder da oposição, Bruno Araújo (PSDB-PE).

Todos se hospedam no hotel Waldorf Astoria, o mais luxuoso de Jerusalém, com diárias entre US$ 500 e US$ 1.200. "Quem trouxe a esposa, como eu, está pagando por sua conta. Teve gente que veio totalmente por conta própria, que sequer foi pago pela Câmara", disse Cunha.

"Tinha mais gente que queria vir pagando e eu que segurei porque dificilmente conseguiria explicar [à imprensa]. Para ser menos criticado, eu segurei. Senão tinha vindo o dobro de pessoas, tamanha a disputa e a relevância desta viagem. O Brasil não pode se fechar dentro de sua política externa apenas em parceiros da América do Sul de coincidência ideológica", acrescentou.

Na sexta e sábado não há eventos oficiais. O roteiro prévio elaborado pela Câmara prevê que a comitiva irá visitar o Mar da Galileia, Nazaré, Jerusalém e Belém, palco de alguns dos principais pontos do roteiro turístico cristão.

A partida para Moscou ocorre na noite do sábado. Na capital russa, os parlamentares se encontram com representantes do parlamento local no domingo. À noite, o roteiro da Câmara informa que, como cortesia dos russos, serão oferecidos 26 ingressos no Teatro Bolshoi para que os brasileiros assistam ao clássico balé "Lago dos Cisnes", deTchaikovski.

Na segunda será realizado a conferência parlamentar dos BRICs. A volta ao Brasil está prevista para terça (9).

Questionada por dois dias seguidos, a Câmara disse não ter condições até o momento de dizer o custo da viagem, afirmando que parte da comitiva viajou a convite, ou seja, com custos reduzidos para os cofres brasileiros. Também não soube dizer o motivo da ida de Pastor Everaldo, que não é deputado, nem deu explicações sobre a parte turística.

Sobre as mulheres, a afirmação é a de que cada parlamentar irá arcar com os custos relativos às suas cônjuges. A Folha não conseguiu falar com o Pastor Everaldo.

A comitiva do Senado só irá para a Rússia. O presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), também vai levar a mulher na viagem. Antes de seguir para o país, Renan vai fazer escala em Paris, na companhia de Verônica Calheiros. O Senado afirma que ele bancará do próprio bolso o trecho da viagem a Paris. A passagem do Brasil para a Rússia é paga pelo Senado por se tratar de viagem oficial. Outros cinco senadores vão integrar a comitiva.

 

 

 

Folha Press