Em nota, PSB-PB acusa Manoel Júnior de se ausentar para tentar salvar Cunha de cassação na Câmara

Em nota, PSB-PB acusa Manoel Júnior de se ausentar para tentar salvar Cunha de cassação na Câmara

Em texto distribuído à imprensa nesta quarta-feira (07), o PSB paraibano acusou o deputado federal e candidato a vice-prefeito de João Pessoa, Manoel Júnior (PMDB), de tentar salvar o seu colega de partido, o deputado afastado Eduardo Cunha, também do PMDB, de provável cassação. 

Confira a nota na íntegra:

O deputado federal Manoel Júnior (PMDB) candidato a vice-prefeito de João Pessoa na chapa de Luciano Cartaxo (PSD), foi único deputado federal do Brasil inteiro que já confirmou que não vai comparecer à sessão de votação de cassação do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que acontecerá na próxima segunda-feira (12).

Em levantamento feito pelo site Congresso em Foco, especialista no acompanhamento dos trabalhos no Congresso Federal, Manoel Júnior aparece como o único parlamentar entre os 512 que já confirmou ausência na sessão, a mais esperada na Câmara, depois da que votou o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). 

De acordo com o levantamento, 138 deputados já confirmaram presença na sessão da próxima segunda, 373 ainda não confirmaram e apenas um informou que não vai, Manoel Junior, do PMDB da Paraíba. 

Para o presidente do Diretório Municipal do PSB em João Pessoa, Ronaldo Barbosa, a decisão de Manoel Júnior de não ir à sessão é uma forma de salvar Cunha. “Quem tem que ter voto presente em plenário é a cassação. Faltar é igual ao voto contra a Cassação de Cunha. O importante é que a população de João Pessoa sabe que o candidato a vice de Cartaxo é aliado e amigo de Eduardo Cunha, tanto que ele fez questão de cantar ‘Dia Branco - se você quiser, pro quer e vier, comigo -’ pro seu camarada em plena festa de aniversário de Cunha”, salientou. 

Manoel Júnior é considerado pela imprensa nacional um dos membros da chamada “Tropa de Choque” de Eduardo Cunha e foi um dos responsáveis por articular a procrastinação do processo do ex-presidente no Conselho de Ética da Câmara, inclusive ligando para deputados para não comparecerem à reunião. 

Dias atrás, Manoel Júnior foi arrolado como testemunha de defesa de Eduardo Cunha em dos processos que o ex-presidente da Câmara dos Deputados é réu no Supremo Tribunal Federal (STF), acusado de ter recebido milhares de dólares em propina desviada da Petrobras. 

Veja abaixo parte do gráfico divulgado pelo site Congresso em Foco que confirma a ausência de Manoel Júnior na sessão que decidirá o destino de Cunha:

 

 


Redação com assessoria