Em entrevista antes da diplomação, Maranhão defende reforma política e tributária, ‘urgente e inadiável’

Em entrevista antes da diplomação, Maranhão defende reforma política e tributária, ‘urgente e inadiável’

O presidente do PMDB da Paraíba, José Targino Maranhão, será diplomado senador na tarde desta quarta-feira (16). O peemedebista retorna a Câmara Alta depois de 4 anos sem um mandato eletivo. Maranhão foi eleito para o Senado em 2002, onde ficou até 2009, quando foi empossado governador no lugar de Cássio Cunha Lima, que foi cassado.

Em entrevista ao portal Paraíba, José Maranhão, citou uma frase de José Américo de Almeida: “Ninguém se perde na volta”. “Eu espero corresponder à imensa esperança que o povo colocou em meu nome.

“O povo da Paraíba fez um julgamento. Segundo Santo Antônio, ‘a palavra precisa ter o endereço das ações.”. Maranhão afirmou que o grande fator que o elegeu senador em 2014 foi o perfil que manteve durante o trabalho nos demais cargos. “Quando fui governador, mantive a ética e o respeito e o povo me julgou”.

Quando foi senador, Maranhão foi presidente da Comissão Mista de Orçamento, segundo ele a mais importante do congresso. “Além disso, fui membro de todas as comissões, essa experiência me ajudará a exercer com eficiência o mandato e contrinuir com as demandas do país e, em especial do meu estado”, declarou.

Maranhão defendeu que o país precisa de uma reforma política e uma reforma tributária. “Uma reforma eleitoral é urgente e inadiável. Esses escândalos que estão envergonhando o povo estão inclusos. Uma lei que não coibe essas pessoas precisa de reforma urgente”, disse.

O senador ainda disse que o sistema tributário do Brasil é confuso. “O empresário nunca sabe o que esperar. É difícil entender o que é certo e o que é errado. Além disso, a carga tributária é extremamente alta no Brasil”.

 
 


Pedro Callado