EM CATINGUEIRA: BR361 é liberada após muita discussão. Manifestação durou quase oito horas

EM CATINGUEIRA: BR361 é liberada após muita discussão. Manifestação durou quase oito horas

 

Depois de muita conversa e discussão, os manifestantes da cidade de Catingueira liberaram o trecho da BR361 que se encontrava bloqueado desde as 05hs desta segunda-feira (14).

Eles reivindicavam o fechamento imediato da comporta do açude cachoeira dos cegos que foi aberta desde a última sexta-feira (11) por determinação da Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (AESA).

Um grande fila de veículos se concentrou em ambos os sentidos da BR361. Apenas ambulâncias, carros da área da saúde e pessoas com exames médicos em mãos tiveram autorização para passar pelo bloqueio.


A manifestação tinha a frente uma comissão que foi formada pela própria população. Por várias vezes, a mesma tentou entrar em contato com representantes da AESA para o fechamento da comporta, porém nada foi resolvido. Um funcionário da empresa ainda esteve no local, mas sem força alguma, o mesmo não pôde fazer nada sem autorização de seus superiores.

O senhor Porfírio Loureiro, Diretor Executivo de Acompanhamento e Controle da AESA, chegou a falar por telefone com um representante da comissão e com um representante da PRF. Sua proposta foi de fechar a comporta apenas na próxima sexta-feira (18), a qual não foi aceita pela comissão.

O promotor de justiça, Dr. Uirassu de Melo Medeiros , que passava pelo local, participou de uma reunião com a comissão e tentou de várias formas convencer o diretor da AESA de fechar, temporariamente, a comporta, até que fosse feita uma audiência com a comunidade catingueirense e um representante da AESA.

O representante o órgão apresentou suas justificativas e disse que não poderia fechar a comporta naquele momento. Depois de muita conversa os manifestantes resolveram liberar a BR, por enquanto. Uma audiência foi marcada para as 19hs desta terça-feira (15) na Câmara de Vereadores com representantes da AESA e a comunidade.


A comissão, o promotor de justiça e várias outras pessoas da sociedade, foram até o açude para comprovar de perto a verdade situação do mesmo.

Além da abertura da comporta, a todo o momento os manifestantes disseram que são totalmente contrários que a pouca água existente do açude seja desperdiçada para irrigação e para o consumo de animais, como estariam querendo alguns donos de fazenda da cidade de Emas.

Os manifestantes não acreditam que a água será utilizada para o consumo humano em Emas, isto por que, o rio por onde passa a água estaria contaminado devido ao grande número de animais mortos, além do mais, precisaria de um grande volume para que água pudesse chegar até seu destino final.

 

Fonte: Catingueira Online.