Egito mata 24 terroristas de grupo ligado ao Estado Islâmico

Egito mata 24 terroristas de grupo ligado ao Estado Islâmico

Egito matou 24 militantes do grupo terrorista afiliado ao Estado Islâmico no país, o Província do Sinai, afirmaram fontes de segurança do país nesta segunda-feira (16).

 

Os terroristas estavam escondidos em uma caverna em uma montanha a 70 km do lugar da queda de um avião russo na região do Sinai – ataque que o grupo extremista assumiu.
Outras oito pessoas foram presas.

 

Célula egípcia do Estado Islâmico, o grupo Província do Sinai atua na região norte do Sinai e já matou centenas de soldados e policiais.

 

Queda de avião
O Airbus A-321 operado por uma empresa russa caiu no sábado, 31 de outubro, pouco após decolar do balneário de Sharm Al-Sheikh, no Mar Vermelho, a caminho de São Petersburgo, matando todas as 224 pessoas a bordo.

 

O grupo egípcio Província de Sinai, leal ao Estado Islâmico, afirmou em nota no mesmo dia que havia derrubado a aeronave "em resposta a ataques aéreos russos que mataram milhares de muçulmanos em solo sírio".

Após a informação ter sido questionada por autoridades russas e egípcias, o grupo postouuma mensagem de áudio em uma conta do Twitter insistindo na informação de que estava por trás do acidente. A reivindicação não pôde ser imediatamente autenticada.

"Dizemos para os que negam ou possuem dúvidas: morram de suas frustrações. Nós, com a graça de Deus, somos quem derrubou, e não somos obrigados a divulgar o mecanismo usado", informou um porta-voz.

"Vão para os destroços, procurem, peguem as caixas-pretas e analisem, nos deem o resumo das pesquisas e o produto de suas especialidades e provem que nós não derrubamos ou como o avião caiu", disse em árabe.

 

 

G1