Efraim diz que DEM não vai pressionar RC por cargos, mas lembra: 'partido virou talismã nas eleições para governador'

Efraim diz que DEM não vai pressionar RC por cargos, mas lembra: 'partido virou talismã nas eleições para governador'

O ex-senador, presidente estadual do DEM e coordenador da campanha do segundo turno do governador reeleito, Ricardo Coutinho (PSB), Efraim Morais, comentou em entrevista ao Sistema Arapuan de Comunicação, que vai continuar trabalhando pela Paraíba junto com o socialista e que a decisão sobre o espaço do Democratas no governo é dele, porém lembra que o partido vem sendo como um ‘talismã’ nas eleições para governador.


Para Morais o caminho do DEM é o mesmo de antes das eleições: ‘continuar trabalhando pela Paraíba’. O ex-senador afirmou que ainda não teve oportunidade de conversar com o governador sobre espaços para o partido, mas garantiu que ‘a decisão é dele’.


Porém o ex-senador lembra que o DEM foi o primeiro partido a se posicionar sobre alguma coisa e destacou o histórico de vitórias desde 2002 com o atual senador, Cássio Cunha Lima (PSDB) quando o partido ainda era PFL. “Em 2002 deixamos o governador Maranhão e fomos para a oposição, disputar com Cássio que ganhou. Em 2006, quando Maranhão se posicionava como favorito, continuamos com Cássio. Em 2009 o apoio do DEM a Ricardo e agora novamente, virou um talismã, eu disse que dava sorte”, conta.


Morais afirmou ainda que o PFL/ DEM sempre deu sorte porque é um partido que teve suas divergências democrataicamente, mas acima de tudo participou na sua maioria. Ele afirmou também que em 2002 Maranhão achava que tinha o controle do PFL, mas na realidade não tinha. “Da mesma forma o senador Cássio pensou que o partido estava com ele, mas sua maioria absoluta estava votando no trabalho de Ricardo”, explica.

 
 


Marília Domingues