Eduardo Cunha foi traído pelo toque do celular durante operação da PF

Eduardo Cunha foi traído pelo toque do celular durante operação da PF

Segundo o colunista de “O Globo”, quando a PF chegou à sua casa, há duas semanas, e pediu seus celulares, Eduardo Cunha inicialmente entregou dois aparelhos, um Blackberry e um iPhone.

Enquanto acompanhava, passo a passo a operação dos agentes da PF, Cunha foi traído por seu terceiro aparelho — outro Blackberry, que estava em seu bolso e tocou justamente na frente dos policiais. Segundo o colunista, o presidente da Câmara teve que entregá-lo também.

A busca na casa de Cunha foi autorizada pelo ministro Teori Zavascki, do STF, a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. O objetivo é coletar provas nos inquéritos que apuram se o presidente da Câmara cometeu os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O peemedebista já foi denunciado pela PGR pela suspeita de ter recebido pelo menos US$ 5 milhões por contratos de aluguel de navios-sonda pela Petrobras. O Supremo ainda não decidiu se aceita ou não a denúncia.

Cunha também é alvo de inquérito que apura suspeitas de corrupção e lavagem de dinheiro em razão de quatro contas na Suíça atribuídas ao parlamentar.

 

 

 

 

180 Graus