Doze estados e o DF têm atos pró-Dilma e contra o impeachment; Paraíba participa do movimento

Doze estados e o DF têm atos pró-Dilma e contra o impeachment; Paraíba participa do movimento

Manifestações a favor da presidente da República, Dilma Rousseff (PT), e contra o processo de impeachment acontecem nesta quinta-feira (31) em doze estados e noDistrito Federal.

Ocorrem ou ocorreram atos em: AL, BA, CE, MA, PB, PE, PI, PR, RN, RJ, SE, SP e no DF.

Um ato também foi registrado em Lisboa. Cerca de 50 manifestantes protestavamna frente da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, onde acontece o Seminário Luso-Brasileiro, que reúnde autoridades e políticos brasileiros, como os senadores José Serra (PSDB-SP) e Aécio Neves (PSDB-MG).

Veja como foram as manifestações em cada estado:

ALAGOAS

 

- Maceió
PARTICIPANTES: ainda não informado.

 

COMO FOI: dezenas de manifestantes estão concentrados na Praça Monte Pio, no Centro, desde as 15h.


Concentracao do protesto na Praça da Bandeira (Foto: Andre Teixeira/G1)Concentracao do protesto na Praça da Bandeira
(Foto: Andre Teixeira/G1)

CEARÁ

 

PARTICIPANTES: ainda não informado.

 

COMO FOI: Manifestantes se concentram na Praça da Bandeira, no Centro, para protesto em defesa da democracia e do governo Dilma Rousseff. Após a concentração, os participantes vão caminhar até a Praça Almirante Jaceguai, nas proximidades do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura.


Protesto em Araci, na Bahia, em apoio a Dilma e Lula (Foto: Sintraf Araci/Divulgação)Protesto em Araci (Foto: Sintraf Araci/Divulgação)

 

BAHIA
 
Araci
PARTICIPANTES: 500, segundo organizadores; de 40 a 50, segundo a PM.

 

COMO FOI: um grupo de manifestantes se reuniu na Praça da Conceição em mobilização a favor da democracia e "contra o golpe". O ato foi organizado pelo Movimento Frente Brasil de Araci e terminou por volta de 11h30 desta quinta.


Manifestantes formam o nome da presidente Dilma Rousseff em cartazes anti-impeachment em Brasília (Foto: Mateus Rodrigues/G1)Manifestantes formam o nome da presidente
em cartazes anti-impeachment em Brasília
(Foto: Mateus Rodrigues/G1)

 

DISTRITO FEDERAL
 
PARTICIPANTES: 1,5 mil pessoas, segundo a organização, por volta das 11h. Às 14h50, a PM falava em 2,5 mil.

 

COMO FOI: Manifestantes contrários ao impeachment da presidente Dilma Rousseff ocuparam quatro pontos na área central de Brasília: Estádio Nacional Mané Garrincha, Banco Central, Teatro Nacional e gramado do Congresso Nacional.

Na frente do Congresso, um grupo removeu a a bandeira do estado do Ceará e hasteou a da Frente Nacional de Lutas (FNL).

Diante do estádio Mané Garrincha, um grupo se concentrou desde as 6h para o ato desta tarde, que deve ter discurso de Luiz Inácio Lula da Silva e marcha até o Congresso Nacional no final da tarde.

Por causa da manifestação, todos os retornos da Esplanada dos Ministérios – à exceção da passagem da Alameda dos Estados – foram bloqueados desde o início da manhã.


MARANHÃO

 

- São Luís
O ato começou por volta das 16h. Os manifestantes estão concentrados na Praça JoãoLisboa, no Centro da capital. A previsão é de que seja realizada passeata passando pela Rua Grande, com chegada na Praça Deodoro.

 


Primeiros manifestantes chegam ao Liceu Paraibano, em João Pessoa (Foto: Krystine Carneiro/G1)Primeiros manifestantes chegam ao Liceu Paraibano,
em João Pessoa (Foto: Krystine Carneiro/G1)

PARAÍBA

 

- João Pessoa
A capital tem quatro pontos de concentração de manifestantes e a previsão é de que todos se juntem às 18h no Ponto de Cem Réis, no Centro da cidade. Em um dos pontos de concentração, o Liceu Paraibano, os manifestantes já começaram a chegar.
 
PARTICIPANTES: 1.200 pessoas, segundo organizadores; 500, segundo a PM.

 

COMO FOI: Manifestantes se concentraram em frente à Câmara de Vereadores, por volta das 8h. Eles pediam o afastamento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e defenderam Dilma e o ex-presidente Lula. O ato foi encerrado por volta das 15h.

 

- Campina Grande
Uma manifestação a favor da presidente Dilma estava marcada para começar às 15h. Até as 15h20, ainda havia poucos manifestantes na Praça Clementino Procópio. Os primeiros a chegar, estampavam camisas com mensagens a favor do governo.

 

O presidente da CUT-PB, Paulo Marcelo, diz que a data do ato foi escolhida porque a data que marca os 52 anos do Golpe Militar. "Estamos na rua para defender a democracia e ser contra um golpe que estão querendo dar institucionalmente. Nós não aceitamos o que está sendo feito com nossa democracia. Temos um governo que foi eleito com mais de 54 milhões de votos e que não tem crime de responsabilidade fiscal e, por isso, não aceitamos impeachment", disse ele.

 

 

 

G1