Dólar sobe frente ao real, de olho no Fed e na China

Dólar sobe frente ao real, de olho no Fed e na China

O dólar avançava cerca de 1% em relação ao real nesta quinta-feira (30), acompanhando o fortalecimento da moeda norte-americana nos mercados externos diante de expectativas de altas de juros nos Estados Unidos ainda neste ano e preocupações com a desaceleração da China.

Por volta das 16h21 o dólar avançava 1,48%, a R$ 3,3787 na venda, após cair 1,18% na sessão passada, interrompendo uma sequência de 5 altas. Veja cotação.

No mercado local, a disputa pela formação da Ptax de julho, nos últimos pregões do mês, deixava as cotações mais sensíveis, enquanto investidores continuavam preocupados com a situação fiscal do Brasil e com as turbulências políticas.

"Mais um dia de alta generalizada do dólar, no mundo todo", resumiu o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo.

O crescimento econômico dos EUA acelerou no segundo trimestre, sugerindo um ímpeto que pode deixar o Federal Reserve mais perto de elevar a taxa de juros neste ano.

A alta dos juros norte-americanos pode atrair para a maior economia do mundo recursos atualmente aplicados no Brasil, cenário corroborado pela sinalização de que o Banco Central brasileiro não deve voltar a elevar os juros básicos tão cedo após aumentar a taxa básica de juros em 0,50 ponto percentual na véspera, a 14,25%.

Preocupações com a desaceleração da economia chinesa em meio ao tombo das bolsas do país também sustentavam a aversão a risco.

No mercado local, somava-se ao persistente quadro de apreensão com a situação fiscal e com as turbulências políticas no Brasil a indefinição sobre a intervenção do Banco Central no câmbio, após o salto recente da moeda dos EUA, que tende a pressionar a inflação ao encarecer importados.

"A autoridade monetária diminuirá ainda mais a oferta do derivativo? Mês a mês houve redução da oferta, e o BC pode ainda aproveitar o bom momento externo em relação ao juro americano para reduzir ainda mais a oferta", escreveram analistas da corretora Lerosa Investimentos.

 

Mais tarde, o BC dará continuidade à rolagem dos swaps cambiais que vencem em agosto, com oferta de até 6 mil contratos, equivalentes a venda futura de dólares.
 
Na véspera, o dólar fechou em queda de 1,18%, a R$ 3,3293, em baixa de 1,18%.
 
 

 

G1