Dólar se mantém abaixo de R$ 4 e volta a fechar no menor valor do ano

Dólar se mantém abaixo de R$ 4 e volta a fechar no menor valor do ano

O dólar fechou novamente abaixo do patamar de R$ 4 nesta quinta-feira (4), reagindo à percepção de que o Federal Reserve, banco central norte-americano, não deve aumentar os juros tão cedo. Juros mais altos poderiam atrair para os EUA recursos aplicados em países como o Brasil, aumentando, assim, o valor do dólar por aqui.

A moeda norte-americana recuou 0,61%, vendida a R$ 3,8941. 

 

Acompanhe a cotação ao longo do dia:
Às 9h21, queda de 1,48%, a R$ 3,8601.
Às 9h49, queda de 1,55%, a R$ 3,8571.
Às 10h29, queda de 1,41%, a R$ 3,8625.
Às 10h50, queda de 1,21%, a R$ 3,8704.
Às 11h19, queda de 1%, a R$ 3,8786.
Às 11h30, queda de 0,88%, a R$ 3,8836.
Às 11h59, queda de 1,22%, a R$ 3,8701.
Às 12h29, queda de 1,50%, a R$ 3,8590.
Às 13h15, queda de 1,57%, a R$ 3,8565.
Às 14h10, queda de 0,98%, a R$ 3,8795.
Às 15h, queda de 0,96%, a R$ 3,8805.
Às 15h59, queda de 0,73%, a R$ 3,8896.

 

 

Este é o menor valor desde 29 de dezembro de 2015, quando a moeda terminou os negócios a R$ 3,8769. No ano, há queda acumulada de 1,37%. Nos primeiros dias de fevereiro, o dólar já caiu 3,24%.
 
Cenário externo
Turbulências nos mercados financeiros globais, dados fracos sobre a economia norte-americana e declarações de autoridades do Fed vêm alimentando apostas de que o banco central norte-americano pode demorar para aumentar os juros novamente.

 

Essa percepção tende a favorecer mercados emergentes, que manteriam sua atratividade diante de juros ainda baixos na maior economia do mundo. Além disso, a queda da moeda norte-americana em relação a outras divisas importantes barateia commodities cotadas em dólar para detentores dessas moedas, trazendo alívio adicional a ativos de países exportadores.

"Se todo esse ambiente financeiro difícil que vimos no começo do ano levar o Fed a adiar o aumento de juros, isso pode acabar sendo positivo para nós", disse o operador da corretora B&T Marcos Trabbold à Reuters.

 

No Brasil
O real tem tido desempenho melhor do que seus pares desde o início deste ano. Embora analistas sejam praticamente unânimes ao afirmar que o dólar deve eventualmente voltar a subir, alguns já começam a levantar a possibilidade de um alívio no curto prazo.

 

O Nomura Securities ressaltou em relatório que a correção das contas externas do Brasil tem sido forte desde o início do ano passado.

"Não vemos isso como condição suficiente para garantir uma visão positiva para o real, mas acreditamos que esse ajuste das contas externas desempenha um papel em limitar a depreciação daqui em diante", escreveu o economista João Pedro Ribeiro, segundo a Reuters. Ele projeta que o dólar deve terminar o ano a R$ 4,20.

 

Essa percepção não é unânime, porém, e alguns nas mesas de câmbio suspeitam que o bom desempenho do real teria sido influenciado por grandes operações pontuais envolvendo títulos cambiais, possivelmente conduzidas por bancos públicos.
 
Ação do BC
Nesta manhã, o Banco Central deu seguimento ao seu programa diário de interferência no câmbio e promoveu mais um leilão de rolagem dos swaps que vencem em março, vendendo a oferta total de 11,9 mil contratos. Ao todo, o BC já rolou US$ 2,329 bilhões, ou cerca de 23% do lote total, que equivale a US$ 10,118 bilhões.

 

 

 

G1