Documentos apreendidos em blitz revelam suposto esquema de propinas para secretários do Governo Ricardo Coutinho

Documentos apreendidos em blitz revelam suposto esquema de propinas para secretários do Governo Ricardo Coutinho
Um nebuloso caso ocorrido em junho de 2011, mas abafado pelo governo, vem à tona e expõe um suposto esquema de distribuição de propinas à secretários estaduais, que formam o núcleo duro do Governo Ricardo Coutinho. Documentos apreendidos pela polícia, na época, durante uma blitz revela como funcionava o suposto esquema.
De acordo com os documentos, pode trata-se de um escândalo sem precedentes na Paraíba que coloca o governador Ricardo Coutinho (PSB) numa situação bastante delicada, pois tudo foi colocado debaixo do tapete na ocasião. Todo enredo desse caso está originalmente publicado no http://mensalaopb.tumblr.com, que intitula a situação como suposto "Mensalão da Paraíba". Somente uma investigação profunda do Ministério Público para averiguar e dirimir as dúvidas...
Entendamos o caso: 
A Operação - No dia 30 de junho de 2011 uma blitz de rotina da polícia da Paraíba teria um desfecho surpreendente. Mas de tão surpreendente, jamais chegaria ao conhecimento dos paraibanos.
Os Fatos - Um veículo Fox, placas DYE-5922, foi solicitado a parar na referida operação policial. O motorista tentou furar o cerco mas foi parado pelos policiais.
Após a revista feita no veículo, foram encontrados R$ 81.000,00 (oitenta e um mil reais) e ao lado desta vultosa quantia, sacada na Agência do Banco do Brasil de Benfica, no Recife.
Ao lado, um papel branco com as seguintes marcações: G - 28.000,00; L - 10.000,00; C - 39.000,00; Dra. Laura 4.000,00 (totalizando 81 mil reais). Na investigação feita, descobriu-se que “G” era de Gilberto Carneiro (atual procurador geral do Estado, “L ” de Livânia Farias (atual secretária de Administração), “C” - Coriolano Coutinho (Irmão do governador) e Dra Laura (Farias) , (Sudema)
O que ocorreu naquela noite? segundo relatos, tão logo este caso chegou à sede da Delegacia de Repreensão e Entorpecentes, vários outros delegados foram chamados ao local para auxiliarem nas investigação - (08 delegados presentes: Allan Terruel; Aldrovilli Dantas; Marcos Vilela, Ramirez Pedro, Daniela Vicuuna; Dulcineia Costa; Marcos Lameirão; Jeferson Vieira).
Após o depoimento, o secretário de Segurança e Defesa Social, Cláudio Lima, foi chamado pelos delegado. Desesperado, ele foi ao governador que, reunido com os demais envolvidos, iniciaram uma operação de guerra.
Os recursos eram oriundos de contratos intermediados pela empresa Bernardo Vidal & Associados conforme apurado pelo delegados. Mas, porque esse assunto nunca foi divulgado?
Depois de muitas idas e vindas e encontros entre delegados e secretários diversos, o fato é que o então secretário executivo da Segurança Pública José de Araújo Silvany, em expediente interno, vaticinou que a se tratava de armação política. E determinou a devolução do que fora apreendido. Vale lembrar que este processo inexiste nos arquivos da Polícia da Paraíba. Foi produzido um expediente de encaminhamento ao Ministério Público que nunca foi de fato protocolado no MP. (Com http://mensalaopb.tumblr.com)

RP