Documento apreendido com o doleiro Youssef lista 750 obras públicas

Documento apreendido com o doleiro Youssef lista 750 obras públicas

A Justiça Federal encontrou indícios de que crimes de corrupção e propina atingem outros setores e empresas públicas, além da Petrobras. Uma planilha com mais de 700 obras encontrada com o doleiro Youssef levantou a suspeita. Somadas as obras chegam a quase R$ 12 bilhões.

A revelação está em uma das decisões do juiz Sérgio Moro no caso da Lava Jato. O juiz se baseou em uma planilha apreendida com o doleiro Alberto Youssef que lista 750 obras públicas.

Sérgio Moro afirma que, embora a investigação deva ser aprofundada quanto a este fato, é perturbadora a apreensão desta tabela nas mãos de Alberto Youssef, sugerindo que o esquema criminoso de fraude à licitação, sobrepreço e propina vai muito além da Petrobras.

O Jornal Nacional teve acesso à tabela apreendida com o doleiro. Segundo investigadores, é um controle organizado, que descreve: construtoras como clientes - algumas delas investigadas e com executivos presos; e dá detalhes sobre cada obra e valor. Um exemplo: o documento descreve um pedido de cotação para o gasoduto Ceará-Piauí-Maranhão, com proposta enviada, segundo o documento, em março de 2010. O valor: mais de R$ 1 bilhão.

A planilha cita como cliente a UTC Engenharia, empresa do diretor, Ricardo Pessoa, que está preso e é apontado como o chefe do chamado clube de empreiteiras que pagava propina para ter contratos com a Petrobras.

A Petrobras Netherlands, braço da Petrobras na Holanda, aparece 12 vezes nessa lista. Segundo o documento, são módulos para as plataformas P-58 e P-62.

O controle encontrado com o doleiro cita, ainda, obras públicas em outros países como Argentina, Uruguai, Equador, Colômbia e Angola. No caso da Argentina, há três citações de concorrência internacional do gasoduto córdoba. Segundo o documento, em uma delas há a inscrição: financiamento do BNDES. E o valor: R$ 60 milhões em 2008.

A cliente colocada na tabela é a construtora OAS, investigada na Lava Jato com executivos presos. O documento descreve, serviços diversos para prefeituras, governos estaduais, governo federal e empreiteiras. É um apanhado de obras que inclui, além de gasodutos, refinarias, mineração, aeroportos e portos.

Tem até o Porto de Mariel, em Cuba. A planilha traz valor de R$ 3,6 milhões. O cliente, segundo o doleiro, é a Olex, a Odebrecht Logística e Exportações. A Odebrecht é a responsável pela obra pública no porto de Mariel, em Cuba.

Além disso, projetos da Transpetro são citados diversas vezes. Paulo Roberto Costa afirmou à Justiça Federal que recebeu R$ 500 mil em propina das mãos do presidente licenciado da subsidiária da Petrobras, Sergio Machado.

Investigadores ressaltam que ainda é cedo para dizer que houve pagamento de propina nas 750 obras que estão na lista. Mas destacam: a planilha é um indício que reforça a versão dada por Paulo Roberto Costa à Justiça e a CPI de que o que acontecia na Petrobras acontece no Brasil inteiro. O documento está orientando novas apurações sobre a dimensão do esquema.

Na semana que vem, o Ministério Público Federal deve oferecer as primeiras denúncias contra os executivos de empreiteiras. Os procuradores vão trabalhar durante o fim de semana para acelerar essa etapa. O passo seguinte é a Justiça decidir se os executivos vão virar réus.

A Odebrecht afirmou que não fez qualquer pagamento a Alberto Youssef para conseguir obras no Brasil ou no exterior.

A Transpetro declarou que não tem intermediários na realização de nenhum contrato.

Sérgio Machado, presidente licenciado da Transpetro, negou as acusações de pagamento de propina. Nesta sexta-feira (5), o Conselho Administrativo da empresa aprovou pedido de prorrogação da licença dele.

A OAS e a UTC Engenharia não responderam às nossas ligações.

A Petrobras não quis comentar a denúncia.

O BNDES informou que não financiou a obra na Argentina que foi citada na planilha.


 

G1