Dilma se encontra com Temer e afirma que 'eu e ele teremos uma relação profícua'

Dilma se encontra com Temer e afirma que 'eu e ele teremos uma relação profícua'

Após se reunirem por cerca de uma hora na noite desta quarta-feira (9), no Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff e o vice Michel Temer afirmaram – ela em nota oficial e ele, em entrevista –, que manterão, de agora em diante, uma relação "institucional.

O encontro da noite desta quarta foi o primeiro entre os dois após Temer enviar a Dilma, na última segunda (7), uma carta na qual abordou suposta desconfiança dela em relação a ele e ao PMDB. Naquele mesmo dia, em entrevista no Planalto, ela havia reforçado que não desconfia dele "nem um milímetro".

Na mensagem, o peemedebista elencou 11 razões para acreditar que a presidente não confia nele. O vazamento do conteúdo gerou mal-estar e houve repercussão política.

"Combinamos, e eu a presidenta, que teremos uma relação pessoal institucional e a mais fértil possível", limitou-se a dizer o vice-presidente após a audiência com Dilma.

"Na nossa conversa, eu e o vice-presidente Michel Temer decidimos que teremos uma relação extremamente profícua, tanto pessoal quanto institucionalmente, sempre considerando os maiores interesses do país", declarou a presidente, na nota divulgada à imprensa.

Ao Jornal Nacional, assessores de Temer afirmaram que, no encontro, o peemedebista e a presidente Dilma decidiram que o tema do impeachment não será mais abordado em conversas entre os dois. Além disso, o vice-presidente não fará declaração pública de apoio ao governo, assim como não vai trabalhar a favor da destituição dela.

Ao longo dos últimos dois dias, houve muita discussão no meio político sobre a carta. A oposição, por exemplo, apontou "rompimento" entre Dilma e Temer.

Já o presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), por outro lado, disse que a mensagem tinha cunho "pessoal de desabafo". Enquanto isso, o vice-líder do governo na Câmara, deputado Silvio Costa (PE), disse que a carta foi "inoportuna" e a classificou como "desserviço ao Brasil".

O conteúdo
Em um dos trechos do documento, Temer disse à presidente que sempre teve ciência da "absoluta desconfiança" dela e de seu entorno em relação a ele e ao PMDB, partido do qual ele é presidente nacional.

"Desconfiança incompatível com o que fizemos para manter o apoio pessoal e partidário ao seu governo", escreveu.

"Sei que a senhora não tem confiança em mim e no PMDB, hoje, e não terá amanhã. Lamento, mas esta é a minha convicção", disse o vice à presidente, em outro trecho da mensagem.

Rompimento
Nesta quarta, após participar de evento no Palácio do Planalto, o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, responsável pela articulação política do Planalto, comentou a carta de Temer a Dilma e afirmou que "não existe razão para se apostar em rompimento" entre a presidente e o vice em função da carta.

Conforme o Blog do Camarotti, contudo, o clima entre os interlocutores da presidente Dilma com a carta era de "grande indignação" e "contrariedade". Ainda segundo o blog, a mensagem do vice foi tida como um sinal de rompimento entre os dois.

 

 

 

G1