Dilma e Lula ajustam reforma; Manoel Júnior aguarda Saúde

Dilma e Lula ajustam reforma; Manoel Júnior aguarda Saúde

Prestes a anunciar a reforma ministerial, a presidente Dilma Rousseff se reuniu no início da tarde desta quinta-feira (1º), no Palácio da Alvorada, com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para tratar dos últimos ajustes das mudanças no primeiro escalão. Além de Lula, compareceram à residência oficial o presidente do PT, Rui Falcão, os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Edinho Silva e o assessor especial da Presidência Giles Azevedo.

Mais cedo, Dilma se reuniu com o vice-presidente Michel Temer, no Palácio do Planalto, para tratar do espaço do PMDB na Esplanada dos Ministérios. O principal aliado da petista no governo federal deve ficar com sete pastas na reforma que deve ser anunciada até esta sexta (2).

Ao longo das últimas semanas, a presidente da República se reuniu com ministros e dirigentes partidários do PT, PMDB, PDT, PTB e PC do B para definir as mudanças. Em meio às articulações, o PSB também recebeu sondagens, mas recusou assumir uma pasta na Esplanada.

Entre as principais mudanças no primeiro escalão estão a transferência de Jaques Wagner da Defesa para a Casa Civil no lugar de Aluizi Mercadante; já o atual chefe da Casa Civil retornará para o Ministério da Educação; na Saúde, sairá o petista Arthur Chioro e entrará um deputado federal do PMDB, que pode ser o paraibano Manoel Júnior, um dos mais cotados para o cargo. Além disso, está prevista a fusão das secretarias de Direitos Humanos, Igualdade Racial e Políticas para as Mulheres em uma única pasta.

Mesmo sem anúncio oficial das mudanças no governo, a presidente já começou a demitir alguns ministros.

O Ministério da Educação, por exemplo, divulgou nota na qual informou que o chefe da pasta, Renato Janine Ribeiro, já foi comunicado por Dilma de que deixará o cargo. Na terça (29), a presidente telefonou para o ministro da Saúde, Arthur Chioro, e mandou o mesmo recado.

 

 

G1