Dilma comanda reunião com 23 ministros no Palácio do Planalto

Dilma comanda reunião com 23 ministros no Palácio do Planalto

Um dia após o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acolher pedido de impeachment, a presidente Dilma Rousseff convocou nesta quinta-feira (3), ao Palácio do Planalto, os ministros que integram a coordenação política do governo.

Segundo a Presidência, 23 ministros participam do encontro: Aldo Rebelo (Defesa), Armando Monteiro (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), Celso Pansera (Ciência e Tecnologia), Edinho Silva (Comunicação Social), Eliseu Padilha (Aviação Civil), George Hilton (Esporte), Gilberto Kassab (Cidades), Gilberto Occhi (Integração Nacional), Helder Barbalho (Portos), Henrique Eduardo Alves (Turismo), Jaques Wagner (Casa Civil), José Cardozo (Justiça), Katia Abreu (Agricultura), Marcelo Castro (Saúde), Miguel Rossetto (Trabalho e Previdência), Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo), André Figueiredo (Comunicações), Juca Ferreira (Cultura), Aloizio Mercadante (Educação), Luís Inácio Adams (Advocacia-geral da União), Nilma Lino Gomes (Mulheres, Direitos Humanos e Igualdade Racial), Patrus Ananias (Desenvolvimento Agrário) e Tereza Campello (Desenvolvimento Social).

Além deles, também estava o líder do governo no Congresso Nacional, senador José Pimentel (PT-CE).

No início da noite desta terça (2), Cunha chamou jornalistas para uma entrevista no Salão Verde da Câmara na qual anunciou sua decisão de aceitar o pedido de impeachment de Dilma movido pelos juristas Hélio Bicudo e Miguel Reale Júnior. O peemedebista negou motivação política e afirmou que o pedido atendia à legislação.

 Menos de duas horas depois, Dilma convocou a imprensa para um pronunciamento no Palácio do Planalto. Em sua fala, ela negou ter cometido “atos ilícitos”, se disse indignada com a decisão de Cunha e afirmou que são “inconsistentes e improcedentes” as razões que fundamentaram o pedido.

Depois de se reunir com a presidente na manhã desta quinta, o ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, anunciou a reunião programada para a tarde e, em entrevista coletiva, disse que o objetivo do encontro é o governo se preparar para “o embate político que está começando.”

Mais cedo, Dilma comandou no Palácio do Planalto reunião com o vice-presidente da República, Michel Temer, e com os ministros Jaques Wagner, Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo), José Eduardo Cardozo (Justiça) e Edinho Silva (Comunicação Social), quatro dos principais conselheiros políticos da presidente na Esplanada.

Além disso, o chefe da Secretaria de Governo chamou ao  seu gabinete no Planalto os líderes dos partidos que compõem a base aliada da presidente Dilma na Câmara dos Deputados para, segundo o líder do governo na Casa, José Guimarães (PT-CE), definir as estratégias que serão adotadas contra o processo de impeachment.

Deputados do PT disseram que vão acionar o Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar barrar o processo, sob a alegação de que houve abuso de poder por parte de Eduardo Cunha na abertura do impeachment.

 

 

 

G1