Dilma acompanha recuperação de brasileiros feridos em atentado em Paris

Dilma acompanha recuperação de brasileiros feridos em atentado em Paris

A presidente Dilma Roussef afirmou neste sábado (14), no Twitter, que está acompanhando a recuperação dos dois brasileiros feridos no "bárbaro atentado terrorista" em Paris, na França.

"Fico feliz porque a jovem não teve maiores sequelas e desejo pronta recuperação ao rapaz ainda hospitalizado", comentou.

As informações são de que o casal estava no restaurante Le Petit Cambodge, nas proximidades do Canal Saint-Martin, um dos locais onde ocorreram os tiroteios. Os nomes não foram divulgados porque será necessário, primeiramente, contatar as respectivas famílias.

Dilma comentou também que se deve "combater sem trégua os atos hediondos cometidos em Paris".

"Reitero minha solidariedade ao presidente François Hollande e ao povo francês." Seis atentados simultâneos ocorridos ontem à noite em diversos pontos de Paris causaram a morte de mais de 120 pessoas. O Estado Islâmico reivindicou a autoria dos ataques.

O Consulado-Geral do Brasil em Paris, na França, divulgou um número de emergência para brasileiros que precisem de apoio ou de informações no país. O telefone é +33 6 80 12 32 34.

O UOL tentou ligar algumas vezes para o número informado, mas ele caiu sempre em uma secretária eletrônica. Segundo o consulado, essa medida foi adotada devido ao alto volume de chamadas.

Em nota, o governo brasileiro afirmou que "transmite suas condolências aos familiares das vítimas e empenha sua plena solidariedade ao povo francês e ao governo da França".

A nota afirma ainda que "o Brasil condena os ataques nos mais fortes termos e reitera seu firme repúdio a qualquer forma de terrorismo, qualquer que seja sua motivação".

No Facebook, o Itamaraty recomendou ainda aos brasileiros na França, especialmente em Paris, que "façam contato com seus familiares no Brasil a fim de tranquilizá-los".

"Em atenção às orientações das autoridades locais, recomendamos, ainda, que os cidadãos restrinjam a circulação pelas ruas da capital francesa e pelo país, até que a situação se normalize", diz post. (Com UOL)

 

 

UOL