Deputado denuncia atraso em obras da Transposição na PB e PE

Deputado denuncia atraso em obras da Transposição na PB e PE

O deputado estadual Tovar Correia Lima (PSDB) fez uma visita às obras do eixo leste da transposição das águas do Rio São Francisco, nesta quarta-feira (26). O tucano visitou os municípios de Monteiro (PB), Sertânia (PE) e Custódia (PE), e constatou que as obras estão em ritmo lento e com cronograma em atraso. Além disso, não há nenhuma preparação para receber as águas. O rio Paraíba, por exemplo, continua recebendo esgotos.

“Como estávamos sem atividade na Assembleia Legislativa, resolvi verificar o andamento das obras para ter argumentos na hora que o Governo Federal vier apresentar datas de entregas da obra. Digo com tristeza que as promessas não serão cumpridas, pois as obras estão paradas. Temos a lamentar, pois essa água seria a nossa redenção”, disse.

De acordo com Tovar, o Governo prometeu entregar as obras até o final de 2016, mas, pelo que verificou com o andamento dos serviços, os prazos, certamente, não devem cumpridos.

Ele falou ainda da situação do açude de Boqueirão que abastece Campina Grande e mais 18 cidades e que chegou a 6% volume total. “O fato é preocupante, pois se o volume não aumentar só teremos água até este ano. Nada foi feito e agora estamos esperando um milagre para não sofrer com o desabastecimento total de toda essa região”, disse, acrescentando que a transposição poderia reverter este quadro.

Outro problema que chamou atenção do parlamentar foi a degradação do Rio Paraíba, que recebe esgotos sem nenhum tipo de tratamento de municípios do Cariri como Monteiro e São Domingos do Cariri. “Só tenho a lamentar que o Governo do Estado pouco fez para receber as águas do rio. Nada foi feito até agora e a água que chegar vai ser contaminada por esgoto”, apontou.

Obras – Orçada em R$ 8,2 bilhões, a obra da transposição deve beneficiar moradores de dos Estados do Ceará, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte. O Eixo Leste abastecerá parte do Sertão e as regiões do Agreste de Pernambuco e da Paraíba. Entre 2011 e 2014, período do chamado Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2, essa parte do empreendimento recebeu investimentos de R$ 969 milhões e chegou a 67% de execução das obras.

A conclusão da transposição das águas do Rio São Francisco era originalmente esperada para 2010, ainda sob a gestão do ex-presidente Lula. O projeto vai beneficiar 12 milhões de pessoas que sofrem com a seca, em 400 municípios de quatro estados do Nordeste. O canal do Eixo Norte tem 402km e o do Leste, 220km. A última previsão do governo é que as obras seriam entregues em 2016.

Transposição – O projeto da transposição é antigo, foi concebido em 1985 pelo extinto DNOS – Departamento Nacional de Obras e Saneamento, sendo, em 1999, transferido para o Ministério da Integração Nacional e acompanhado por vários ministérios desde então, assim como, pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco. O corpo de água nasce na Serra da Canastra em Minas Gerais e, depois de passar por cinco Estados brasileiros em cerca de 2,7 mil km de extensão, deságua no Oceano Atlântico na divisa entre Sergipe e Alagoas.

 

 

 

MaisPB