Delegacia de Homicídios de JP prende 166 e indicia 244 por assassinatos no 1º semestre

  Delegacia de Homicídios de JP prende 166 e indicia 244 por assassinatos no 1º semestre

De janeiro a junho deste ano, a Polícia Civil, por meio da Delegacia de Crimes contra a Vida (Homicídios) de João Pessoa, cumpriu 166 mandados de prisão e indiciou 244 pessoas acusadas da autoria de assassinatos. Os números são da própria delegacia especializada, segundo a qual foram instaurados 438 inquéritos policiais, 174 relatados com autoria, ou seja, já apontaram os acusados dos crimes. O trabalho se refere a crimes ocorridos no 1º semestre de 2014 e também no ano passado.

Segundo Roberta Neiva, titular da delegacia especializada, as investigações de homicídios são complexas e muitas vezes não se concluem em seis meses. “Cem por cento dos inquéritos de homicídios são instaurados hoje. É preciso realizar levantamento do local de crime, aguardar o resultado de exames periciais, ouvir pessoas, identificar a autoria e ainda relatar. Necessitamos de elementos concretos para que o inquérito vá para a Justiça e não volte. Que o Ministério Público denuncie e o acusado responda judicialmente”, explicou.

Para a delegada, investigações criteriosas ainda são importantes para que os pedidos de medidas cautelares sejam deferidos pelo Poder Judiciário. “Com essas medidas, efetuamos as prisões, retirando das ruas quem está matando e ainda mantemos essas pessoas dentro do sistema prisional. Os pedidos, como prisões preventivas e temporárias, são enviados à Justiça rotineiramente, e é necessário que sejam apreciados com celeridade”, frisou.

A Delegacia de Homicídios é responsável pelas investigações de crimes de homicídio e tentativas de homicídios ocorridos na Capital e ainda nos plantões das cidades de Cabedelo, Santa Rita e Bayeux. Para isso, existem equipes compostas por sete delegados, 18 agentes de investigação e dois escrivães, e ainda policiais dos municípios abrangidos pela delegacia no horário noturno. Todos os crimes são atendidos imediatamente e nos casos de tentativa de homicídio é mantido contato com o hospital que atende a vítima para os primeiros levantamentos.

De acordo com o superintendente da 1º Região Integrada de Segurança Pública (Reisp), Wagner Dorta, o trabalho realizado pela Delegacia de Homicídios de João Pessoa mostra o comprometimento da equipe e ainda a agilidade nas investigações, contribuindo para o combate da criminalidade no Estado. “Posso dizer que as ações da equipe de homicídios são de fundamental importância para a comunidade. A partir do momento que o trabalho de repressão qualificada vai sendo executado corretamente, garantimos mais criminosos presos. Essa eficiência mostra também para a sociedade que estamos trabalhando para diminuir os índices de criminalidade e consequentemente com os números de homicídios”, afirmou.

Redução de assassinatos – A repressão qualificada realizada pela Polícia Civil e as ações de prevenção e ostensivas da Polícia Militar resultaram na redução de 33% do número de homicídios registrados na Capital paraibana nos primeiros seis meses do ano.
Segundo o Núcleo de Análise Criminal e Estatística (Nace), da Secretaria da Segurança e da Defesa Social (Seds), foram 207 assassinatos de janeiro a junho na cidade, enquanto que no mesmo período do ano passado foram 310 casos de homicídios.

Redação com assessoria
WSCOM Online