Datafolha: Dilma sabia da corrupção na Petrobras, acreditam 84% dos brasileiros

Datafolha: Dilma sabia da corrupção na Petrobras, acreditam 84% dos brasileiros

Depois de medir uma expressiva queda de popularidade da presidente Dilma Rousseff, o Instituto Datafolha apresenta mais números negativos para a petista. Segundo pesquisa divulgada neste domingo (22), 84% dos brasileiros acreditam que ela sabia da corrupção na Petrobras.

A Operação Lava Jato, desencadeada há mais de um ano pela Polícia Federal, chegou a um sofisticado esquema de cartelização e cobrança de propina por políticos, sobretudo do PP, PT e PMDB, em cima dos contratos firmados com a estatal.

Saiba o que os eleitores ouvidos pelo Datafolha pensam sobre o escândalo:

  • 61% acham que Dilma sabia da corrupção e deixou que ela acontecesse
  • 23% acreditam que Dilma sabia da corrupção, mas não tinha meios de evitá-la
  • 10% consideram que Dilma não sabia da corrupção
  • 6% não souberam responder

Chama a atenção o percentual dos eleitores de Dilma no segundo turno que acreditam que ela tinha conhecimento do esquema: 74%. Apenas 19% dos que votaram na petista não acham que ela sabia, e 8% não responderam.

Entre os eleitores do senador Aécio Neves (PSDB-MG) para presidente, a proporção de pessoas que acreditam que Dilma sabia salta para 94%.

Para 88% dos entrevistados, a corrupção na Petrobras vai afetar a empresa a médio e longo prazos. O detalhamento dos números é o seguinte:

  • 51% acreditam que vai prejudicar a estatal por muito tempo e coloca o futuro dela em risco
  • 23% acham que vai prejudicar a empresa por pouco tempo, mas sem deixar em risco o futuro dela
  • 14% consideram que vai prejudicar a estatal por muito tempo, mas sem risco para o futuro
  • 6% não pensam que vai prejudicar a empresa
  • 7% não souberam responder

O Datafolha ouviu 2.842 pessoas em 172 municípios brasileiros.

A pesquisa foi feita na semana passada, nos dias 16 e 17, logo após as manifestações contra Dilma.

A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.


 
 
 
 

Brasil Post