Cúpula do G20 começa sob sombra de ataques em Paris

Cúpula do G20 começa sob sombra de ataques em Paris

A tensão global desencadeada pelos ataques em Paris deverá mudar toda a dinâmica da cúpula dos líderes do G20, que começa neste domingo em Antália, na costa turca do Mediterrâneo.

O combate ao extremismo já estava na pauta do encontro entre as 20 principais nações industrializadas e em desenvolvimento, mas agora ganha protagonismo nas conversas.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, deu o tom da mudança neste sábado, já na sede da cúpula, ao convocar um "consenso da comunidade internacional contra o terrorismo".

"Como um país que conhece muito bem os modos e as consequências do terrorismo, entendemos perfeitamente o sofrimento que a França experimenta agora", afirmou Erdogan.

Image copyrightPR
Image captionPresidente Dilma Rousseff na cúpula do G20 na Austrália, há um ano; Brasil cumpriu 56% de seus compromissos desde então, segundo centro de pesquisa

A Turquia enfrenta uma escalada da violência desde um atentado suicida em julho, perto da fronteira com a Síria, com um saldo de mais de 30 mortos. Suspeita-se da ação do grupo autodenominado "Estado Islâmico", que assumiu a autoria dos ataques na França.

No mês passado, duas explosões mataram mais de cem pessoas na capital turca, Ancara, em outro atentado ligado ao EI.

Mesmo antes dos ataques na França, a Turquia já havia montado um forte esquema de segurança para a cúpula, que incluiu a prisão na semana passada de dez supostos integrantes do 'Estado Islâmico'.

Boa parte do centro de Antália e de toda a cidade vizinha de Belek, onde ficam os resorts que abrigarão o evento, está fechada para circulação comum – passam apenas delegações, imprensa e organização.

Presidencia da RepublicaImage copyrightPR
Image captionPresidente Dilma Rousseff chegou a Turquia neste sábado

O G20 é um fórum econômico, mas tradicionalmente aproveita a reunião dos líderes mundiais para tratar de conjuntura política. Por iniciativa da Turquia, presidente de turno do grupo, o combate ao extremismo e a crise dos refugiados estavam na pauta da discussão entre os chefes de Estado e governo - e agora crescem em relevância.

Os ataques de Paris não alteraram os planos dos líderes, que deverão manter dois dias de sessões de trabalho e conversas até segunda-feira. O único a cancelar sua participação até o momento foi o presidente francês, François Hollande. A presidente Dilma Rousseff chegou a Antália neste sábado.

Brasil no G20

Falando em economia, o Brasil que chega neste domingo à Turquia para a décima reunião dos líderes do G20 é muito diferente daquele do primeiro encontro, de 2008.

Naquela cúpula em Washington, chefes de Estado e governo de 90% do PIB mundial tentavam uma resposta de emergência ao estouro de uma crise financeira aguda nos países ricos.

O Brasil, por outro lado, vivia o auge da euforia dos anos Lula (2003-2010): grau de investimento havia sido obtido naquele ano, o PIB subia a 5,2%, o real se valorizava e a venda de commodities era embalada pelo apetite chinês.

Lula chegou a dizer na ocasião que a melhor solução para evitar o desastre global era "os países ricos resolverem seus problemas".

O peso do G-20

'Clubão' das economias globais reúne 19 países e União Europeia

90%

do PIB mundial

  • 80% do comércio internacional

  • 84% da emissão de gases estufa

  • 66% da população global

EPA

Sete anos depois, o Brasil é parte do problema do G20. Ao lado da Rússia, é o único membro em recessão. Tem grau de investimento ameaçado, moeda caindo, minérios e produtos agrícolas em baixa diante da desaceleração da demanda mundial, sobretudo da China.

Tudo isso não ajuda a esquentar uma economia global que já anda morna, seja pela recuperação lenta no mundo desenvolvido, pela aumento da dívida dos emergentes ou pelas guerras que cobram preço humano alto, como na Síria, Iraque e Afeganistão. O Banco Mundial prevê crescimento modesto do PIB global neste ano, de 2,8%.

Diante desse cenário instável, a presidente Dilma Rousseff e sua comitiva desembarcaram em Antália para dois dias de reuniões ampliadas e bilaterais, sessões de trabalho sobre temas diversos e um jantar de líderes no domingo.

O cardápio político da conversa dos chefes de Estado e governo ganhou peso, e dividirá holofotes com a economia durante o encontro, por onde deverão circular 13 mil pessoas, entre diplomatas e lideranças empresariais, sindicais e da sociedade civil.

"Gerar crescimento sustentável e balanceado estará no centro da agenda dos líderes do G20. Isso pela desaceleração no crescimento e no comércio mundiais, a recessão no Brasil e na Rússia e pela retomada lenta nos países avançados do G7", diz John Kirton, diretor do G20 Research Group da Universidade de Toronto, no Canadá, um dos principais centros de referência sobre o clube das maiores economias globais.

O local da cúpula não facilita a vida de manifestantes, daí a expectativa de poucos protestos. O acesso a 10 km de costa na cidade vizinha de Belek foi fechado para o evento – a região tem cerca de 50 resorts e 15 campos de golfe de 18 buracos.

No hotel em que a presidente ficará, o recém-inaugurado Maxx Royal, há casas privativas de até 630 m² e 108 hectares para golfe. Os ministros Joaquim Levy (Fazenda) e Mauro Vieira (Relações Exteriores) acompanham Dilma na viagem.

Image copyrightPresidencia da Argentina
Image caption'Foto de família' da primeira cúpula de líderes do G20, em 2008, nos EUA; economia brasileira experimentou reviravolta desde então

Brasil quase na lanterna

O comunicado final da cúpula, ainda em negociação, deverá reforçar compromissos assumidos no encontro de 2014, na Austrália, para elevar o crescimento global em 2,1 pontos percentuais, ou cerca de US$ 2 trilhões, até 2018, em relação a um cenário sem as medidas.

Policiais guardam rota que leva a local da cúpula do G20, na TurquiaImage copyrightAP
Image captionPauta da segurança global deve ser reforçada na cúpula do G20, sendo realizada na Turquia

Para Kirton, os membros do G20 não estão monitorando esses compromissos com a transparência necessária. "A postura foi decepcionantemente opaca", afirmou.

Na análise que o grupo de pesquisa canadense faz todo ano dos avanços do G20, o foro avançou em 71% dos 205 compromissos assumidos na Austrália, medida que confirma a tendência de queda desde o pico de 78% na cúpula do México, de 2012.

O Brasil ficou perto da "zona de rebaixamento" da análise, em 15º lugar no índice de compromissos assumidos (estimados em 56%), à frente apenas de Argentina, Turquia, África do Sul e Arábia Saudita. As nações "mais aplicadas" foram Reino Unido e Estados Unidos, com 88%.

Os temas que tiveram menor índice de cumprimento são também alguns dos mais polêmicos, como mudança climática e remessas internacionais (ambos com 55%), estratégias fiscais (53%) e subsídios a combustíveis fósseis (28%) - o que sugere dificuldades para a Conferência Climática de Paris, a COP-21, que começa no fim do mês e também deverá estar na pauta dos líderes.

Image copyrightPR
Image captionDilma em agosto de 2015 em obra da transposição do rio São Francisco; destravar investimentos em infraestrutura é preocupação do G20

Preocupado com a queda no preço das commodities, o Brasil pediu que o comunicado do encontro assuma o compromisso de não elevação dos subsídios agrícolas, mas não espera muito da demanda - a União Europeia já sinalizou que isso é assunto para a próxima reunião ministerial da OMC (Organização Mundial do Comércio), no próximo mês.

"Não temos expectativa de grande resultado, mas é importante propormos esse assunto", disse o embaixador Carlos Márcio Cozendey, principal emissário do Brasil no G20. "Se os subsídios forem aumentados em resposta à queda dos preços, a queda será ainda maior e isso terá efeito ruim para os países mais pobres."

Outra contribuição do Brasil à cúpula será na área de combate à corrupção. O país ficou incumbido, ao lado da Itália, de apresentar princípios de promoção de integridade em compras públicas, com sugestões em áreas como redução da burocracia e transparência.

Image copyrightRegnum Hotels
Image captionHotel em Belek, cidade vizinha a Antália, que receberá a cúpula dos líderes do G20; região tem cerca de 50 resorts e 15 campos de golfe

Espera-se ainda que os líderes se comprometam a evitar uma guerra cambial, comunicando de forma "calibrada" eventuais ações para enfrentar o "novo normal" de crescimento moderado chinês e a perspectiva de elevação dos juros nos EUA.

Em emprego, deverá ser fechada uma promessa coletiva de reduzir em 15%, até 2025, o desemprego entre jovens "nem-nem" (que não trabalham e nem estudam). No mesmo período, o G20 quer cumprir meta anterior de reduzir em 25% o hiato da participação feminina no mercado de trabalho.

Brics: de locomotiva a preocupação

Como já é tradição nas cúpulas do G20, os líderes dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) aproveitarão o ensejo para um encontro, que na Turquia será na manhã do domingo, antes da abertura oficial do evento. O grupo que já foi a locomotiva do G20 agora motiva alertas pela desaceleração na China e pela recessão no Brasil e na Rússia.

Image copyrightG20 Research Group
Image captionJohn Kirton, do G20 Research Group: 'Problemas básicos do Brasil são a desaceleração da China, no front externo, e corrupção, no interno'

O setor privado brasileiro chega ao encontro com pauta focada em quatro temas: ratificação do acordo de facilitação do comércio na OMC, estratégias de infraestrutura para enfrentar a escassez interna de crédito e acesso de pequenas e médias empresas ao financiamento.

"Dois temas hoje unem a comunidade internacional de negócios: infraestrutura e acordo de facilitação de comércio", disse José Augusto Fernandes, diretor da Confederação Nacional da Indústria, que coordena a participação do empresariado brasileiro no G20.

De modo geral, o G20 lida hoje com os desafios de ter ampliado sua pauta, o que impõe mais dificuldades para atingir consensos.

"A partir de 2010, em Seul, começaram a surgir desavenças no grupo, que vêm sendo contornadas. Mas à medida que novos temas surgem na agenda, dilui-se a grande eficácia que o foro teve no começo, e mais leituras conflitantes vão surgindo", conclui o diplomara Diogo Coelho, autor de Mundo em Crise (editora UnB), sobre a crise financeira de 2008 e seus impactos.

 

 

 

BBC Brasil