Cunha suspende ato e depoimento de Renato Duque será na Câmara

Cunha suspende ato e depoimento de Renato Duque será na Câmara

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), assinou, nesta quarta-feira (18/3), uma suspensão ao ato da Mesa Diretoria, número 82, de 12 de julho de 2006, que proíbe que detentos sejam ouvidos em depoimento na Câmara dos Deputados. O cancelamento valerá apenas para que seja tomado o depoimento do ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque à CPI que investiga corrupção na estatal.

Cunha decidiu assinar a suspensão temporária já que a Mesa Diretora não tinha reunião convocada para esta semana. O próximo encontro dos membros está previsto para a quarta-feira da semana que vem. Ontem, o presidente da CPI, Hugo Motta (PMDB-PB), mencionou que a Mesa teria o encontro para analisar a revogação do ato. Se o ato não fosse suspenso, os parlamentares teriam de seguir até à Superintendência da Polícia Federal para colher as informações prestadas pelo ex-diretor da estatal.

Renato Duque está preso em Curitiba desde segunda-feira sob a acusação de ter transferido 20 milhões de euros (R$ 70 milhões) da Suíça para Mônaco. Além de Duque, membros da CPI da Petrobras devem ouvir o executivo Julio Faerman, representante da holandesa SBM no Brasil. Nas investigações da Polícia e da Justiça Federal, Faerman é apontado como lobista responsável por intermediar pagamentos de propina de pelo menos US$ 30 milhões a funcionários da Petrobras. Ele seria o homem chave a conseguir contratos de aluguel de plataformas de exploração do petróleo que somam R$ 9 bilhões.

Também está prevista a oitiva do ex-gerente-geral de Implementação de Empreendimentos da Petrobras, Glauco Colepicolo Legati. Até o final do ano passado, Legati também estava à frente da gerência-geral da obra da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. Ele foi afastado da função após investigações conduzidas pela própria estatal sobre o envolvimento de funcionários em irregularidades nos projetos das áreas de Engenharia e Abastecimento. Ano passado, Legati não compareceu à CPI mista da Petrobras, justificando a ausência por um atestado médico que constava hipertensão.

Para o início de abril, a previsão da comissão é ouvir o novo diretor de Gás e Energia da Petrobras, Hugo Repsold. O depoimento dele será dia 9 de abril porque na quinta-feira da Semana Santa (2/4) não haverá sessão da CPI. Hugo Motta explicou que o agendamento do depoimento deles foi possível porque já havia requerimento aprovado em sessão deliberativa. Para convocar Vaccari, será necessário aprovar primeiro o pedido de convocação na semana que vem.

 

 

 

Correio Braziliense