CRM encontra irregularidades no Hospital Regional de Piancó, que pode ser fechado

CRM encontra irregularidades no Hospital Regional de Piancó, que pode ser fechado
O Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB) realizou, nesta terça-feira (23), uma inspeção no Hospital Regional Wenceslau Lopes, na cidade de Piancó, no Sertão paraibano, a 400 km de João Pessoa, e encontrou diversas irregularidades. Apenas na sala de urgência, a equipe de fiscalização detectou mais de doze irregularidades, como falta de campo cirúrgico, fiação elétrica exposta, paredes infiltradas, equipamentos sem funcionar, dentre outros. Além disso, no dia da inspeção, exames básicos como hemograma e radiografias não estavam sendo realizados.
 
“Já fiz, pessoalmente, mais de quatro fiscalizações neste hospital e nunca tinha visto uma situação tão calamitosa, de completo abandono. Nenhum setor essencial funciona adequadamente”, destacou o diretor de fiscalização do CRM-PB, Eurípedes Mendonça. Ele acrescentou que a inspeção foi realizada por determinação do Ministério Público Estadual – comarca de Piancó.
 
Eurípedes Mendonça também explicou que irá recomendar a interdição dos médicos que trabalham no hospital. “Com a nova Resolução do Conselho Federal de Medicina, as equipes de fiscalização dos conselhos regionais devem preparar o relatório e enviar à presidência do seu conselho, que irá decidir sobre a interdição ou não da unidade de saúde”, disse. O mesmo relatório é enviado ao MPE e à Secretaria de Saúde de Piancó.
 
“A diretoria do hospital e os gestores públicos podem resolver as irregularidades antes mesmo que o relatório seja avaliado pelo plenário do CRM-PB”, acrescentou. Segundo ele, a reunião do plenário deverá acontecer apenas no próximo mês. Como pontos positivos, a equipe de fiscalização flagrou operários concluindo reformas na sala de radiologia e realizando pintura em várias paredes.
 
Irregularidades encontradas na sala de urgência do hospital:
- fiação elétrica exposta
- paredes infiltradas
- falta de eletrocardiograma (ECG)
- coletores de perfuro cortantes improvisados e mal localizados
- falta de campo cirúrgico
- sala sem sinalização
- portas dos armários fixadas com esparadrapos
- ventilador mecânico sem funcionar
- lixeiras sem tampa
- ausência de paramentos para médicos
- almotolias (recipiente que armazena álcool) sem tampas e sem prazo de validade

- cadeira de coleta de sangue enferrujada

 

 

Assessoria