CPI da Petrobras recebe lobista Júlio Faerman, que deve ficar em silêncio

CPI da Petrobras recebe lobista Júlio Faerman, que deve ficar em silêncio
notíciasBrasil

CPI da Petrobras recebe lobista Júlio Faerman, que deve ficar em silêncio

G1

 

A CPI da Petrobras receberá nesta terça-feira (9) o lobista Júlio Faerman, ex-representante da SBM Offshore, empresa holandesa que admitiu ter pago propina a funcionários da estatal brasileira em troca de contratos de aluguel de plataformas de petróleo. Faerman, no entanto, obteve autorização do Supremo Tribunal Federal (STF) para permanecer calado na comissão.

O lobista é suspeito de ser um dos operadores do esquema de corrupção que atuava na Petrobras. Ele chegou a ser convocado para depor na CPI, mas não apareceu, afirmando depois que não recebeu um comunicado oficial sobre a sessão.

Faerman só entrou em contato com a comissão depois de o presidente da CPI, Hugo Motta (PMDB-PB), encaminhar, em maio, umpedido de prisão temporária à Polícia Federal (PF) e à Interpol para que ele fosse conduzido à força à Câmara dos Deputados.

Além do direito de ficar em silêncio, a ministra Rosa Weber, do Supremo, também garantiu ao ex-representante da SBM a possibilidade de não ser obrigado a falar a verdade diante dos parlamentares e também de não “sofrer constrangimentos físicos ou morais” durante a sessão em razão das demais garantias.

Faerman foi apontado pelo ex-gerente de Engenharia Pedro Barusco, um dos delatores da Operação Lava Jato, como o responsável pelos pagamentos de propina vinda da SBM para Petrobras desde 1998.

Em depoimento a integrantes da CPI, em Londres, em 19 de maio, o ex-diretor da SBM Jonathan Taylor confirmou que os pagamentos de propinas a funcionários da Petrobras eram feitos por Faerman.

Numa das gravações entregues por Taylor à CPI, um ex-diretor de Vendas da SBM chegou a explicar que a comissão era de 3% sobre cada contrato. Faerman ficava com 1% e o restante ia para pessoas da Petrobras, segundo o ex-diretor.

 

 

G1