Couto nega ter tentado evitar depoimento em CPI

Couto nega ter tentado evitar depoimento em CPI
O deputado federal paraibano Luiz Couto (PT)  negou ter participado de articulações para tentar evitar depoimento em uma CPI na Câmara. Conforme matéria do jornal Estadão, o ex-líder do Governo na Câmara dos Deputados, Arlindo Chinaglia (PT-SP), articulou com deputados, entre eles o paraibano, para evitar depoimento do ex-presidente da OAS, José Adelmário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro, em uma CPI na Câmara.
 
A suposta articulação de Chinaglia foi obtida pelos investigadores da Operação Lava Jato após a apreensão do celular de Leo Pinheiro.  Em mensagens de celular, Chinaglia trocou informações com o empreiteiro sobre a possível convocação para a CPI. Em uma delas aparece o nome de Luiz Couto.
 
O parlamentar paraibano emitiu nota oficial e negou participação nessas articulações. Ele garante não ter sido procurado por ninguém e também disse que, se procurado, não atrapalharia qualquer apuração de irregularidades. Abaixo, leia nota enviada pela assessoria de imprensa do deputado federal petista:
 
“O deputado federal Luiz Couto (PT-PB) reagiu com surpresa ao ser informado da publicação de notícia sobre uma suposta articulação para impedir o depoimento de empresário da OAS na CPI do Tráfico de Pessoas. O parlamentar assegurou que não recebeu pedido algum para obstacular qualquer depoimento: “Não fui procurado por ninguém e ainda que tivesse sido, não iria agir para atrapalhar qualquer apuração de ilicitude. Ao contrário, tenho lutado durante toda a minha vida para que os desmandos, venham de onde vierem, sejam investigados”, declarou.
 
Luiz Couto acrescentou que o presidente da CPI do Tráfico de Pessoas, Arnaldo Jordy (PPS-PA), chegou a visitar canteiros de obras da OAS, à época, dando prosseguimento à apuração das denúncias de tráfico humano e que o assunto nada tinha a ver com o apurado pela Operação Lava Jato.
 
O deputado federal Luiz Couto, por fim, reafirmou que não tem o hábito de engavetar denúncias e que o comportamento era típico de um passado não muito distante no qual o PSDB costumava arquivar qualquer assunto que contrariasse seus interesses: “Essa versão divulgada hoje mais parece peça de ficção. E mal feita”, resumiu.
 
 
 
Jãmarrí Nogueira-MaisPB