Corte obrigatório de cabelo igual ao de Kim Jong-Un não passa de um boato

Corte obrigatório de cabelo igual ao de Kim Jong-Un não passa de um boato

O estiloso corte de cabelo do "grande líder" da Coreia do Norte Kim Jong-Un é um dos assuntos mais comentados da internet graças a uma notícia viral de que todos os homens universitários das capitais do país são agora obrigados a copiar o corte do ditador. Mas parece que não é bem isso o que está se passando pelos salões dos barbeiros norte-coreanos.

Visitantes que foram à Coreia do Norte recentemente disseram que não viram evidência alguma de um estilo massivo de corte de cabelo. Especialistas estão sentindo cheiro de mais um boato criativo, porém sem base na realidade.

A notícia, repercutida em grandes jornais do mundo, afirma que algumas semanas atrás o governo norte-coreano emitiu uma ordem aos estudantes universitários de raspar os lados da cabeça igual a Kim. A rádio Free Asia, sediada nos EUA, cita "fontes" que dizem que a diretriz "não-escrita" do Partido dos Trabalhadores foi emitida, no começo do mês, preocupando estudantes que não acham que o corte lhes cairia bem.

"Aconteceu há alguns dias e não há sinal disso", disse Simon Cockerell of Koryo Turismo, empresa especializada em levar turistas estrangeiros à Coreia do Norte. "Definitivamente, não é verdade". Um jornalista da Associated Press que está em Pyongyang também disse que não viu sinal algum de mudança nos cabelos dos universitários na capital.

O grande interesse na informação reflete o fascínio do Ocidente pelo corte único de cabelo de Kim Jong-Un e seu pai, Kim Jong-Il, que tinha apenas uma lateral da cabeça raspada.

Apesar da alta probabilidade do boato ser falso, é verdade que o governo da Coreia do Norte tem a sua própria "polícia da moda".

Choe Cheong-ha, um dissidente que deixou o país em 2004, disse que membros de uma organização jovem do governo fazem exames de rotina para ver se as pessoas estão se vestindo apropriadamente. Ele disse que essa "polícia" investiga se as pessoas estão usando o distintivo de lapela obrigatório com as imagens dos "grandes líderes" Kim Il Sung e Kim Jong-Il, ou violações como calças jeans, roupas com palavras em inglês ou vestidos acima do joelho.

Choe disse que cortes de cabelo não eram um problema, já que a maioria dos norte-coreanos voluntariamente mantêm um corte conservador.

Em 2005, no entanto, o governo travou uma guera contra homens com cabelo comprido, dizendo que eles eram "bestas anti-higiênicos e antissocialistas que seguem cegamente o estilo de vida burguês" e ordenando que eles cortassem o cabelo rente no "estilo socialista". A televisão estatal Central TV até identificou os infratores por nome e endereço, expondo-os à perseguição de outros cidadãos.

A campanha capilar, intitulada "Vamos cortar o cabelo segundo o estilo de vida socialista" exigia que o cabelo dos homens não fosse mais comprido que cinco centímetros. Os mais velhos ganharam um bônus e podiam deixar um lado um pouco mais comprido para cobrir a careca.

A campanha dizia que manter o cabelo comprido prejudicava a atividade cerebral por bloquear o fluxo de oxigênio nos nervos da cabeça. Não explicava, porém, por que as mulheres podiam usar cabelo comprido.

Mas o cabelo das mulheres também é alvo de polêmicas. Fotos de sugestões de cortes de cabelo em salões de beleza onde a mulher pode indicar à cabeleireira o estilo que ela quer são mostradas pela imprensa internacional como um catálogo em que só alguns cortes são permitidos. Também não é verdade. Mas não conte à internet.

Brasil Post