Corpo de menino morto no Alemão será levado para o Piauí no domingo

Corpo de menino morto no Alemão será levado para o Piauí no domingo
Terezinha Maria de Jesus, mãe de Eduardo, é contida por familiares diante de PMs (Foto: MARCOS DE PAULA/ESTADÃO CONTEÚDO)

O corpo de Eduardo de Jesus Ferreira, de 10 anos, morto durante operação policial no Conjunto de Favelas do Alemão na última quinta-feira (2) será transferido neste domingo (5) para o Piauí para ser enterrado. O voo sairá às 11h15 do Rio em direção a Teresina. De lá, Teresinha Maria de Jesus Ferreira, o pai de Eduardo e mais duas irmãs de Eduardo vão para o município de Corrente, no interior do Piauí.

A definição ocorreu após uma reunião neste sábado no Palácio Guanabara entre a família e a Secretária de Assistência Social do Rio, Teresa Cossentino, o chefe da Divisão de Homicídios, Rivaldo Barbosa, e a Secretária de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente, Angélica Goulart.

A caminhada deste sábado (4) contra a violência no Conjunto de Favelas do Alemão, na Zona Norte do Rio, teve a presença de Teresinha, que em certo momento mostrou revolta diante de um carro da PM e foi contida por familiares e amigos.

Teresinha não foi a única a demonstrar seu descontentamento com as forças de segurança. As viaturas da Polícia Militar que passavam pelo local recebiam vaias dos manifestantes. Os moradores acusam os policiais de agirem com truculência e serem responsáveis pelas mortes de dois moradores nos últimos quatro dias. Para eles, as Unidades de Polícia Pacificadora deveriam se transformar em Unidades de Políticas Públicas. Na quinta, a mãe de Eduardo já havia demonstrado seu lamento em relação à atuação policial.

"Eu marquei a cara dele. Eu nunca vou esquecer o rosto do PM que acabou com a minha vida", disse na ocasião.

Crianças participam de ato pela paz no Alemão
(Foto: Jornal Voz da Comunidade)

Por ser Sábado de Aleluia, os moradores pretendiam queimar um boneco de Judas no final do ato. De acordo com a assessoria da Polícia Militar, não houve confronto na madrugada deste sábado em nenhuma comunidade do conjunto de favelas.

Segundo a página do Jornal Voz da Comunidade no Facebook, ator Paulo Betti esteve no conjunto de favelas do Alemão na manhã deste sábado para dar apoio ao protesto.

O policiamento na região está reforçado por policiais das UPPs do Alemão, de outras UPPs e de agentes do Comando de Operações Especiais, que envolve o Batalhão de Ações com Cães (BAC), o Grupamento Aeromóvel, o Batalhão de Operações Especiais (Bope), além de veículos blindados e helicóptero.

 

Durante o ato deste sábado, a Coodenadoria de Polícia Pacificadora afirmou que respeita qualquer tipo de manifestação, desde que ela seja pacífica. “Nós trabalhamos para garantir a paz na comunidade do Alemão e nas outras que nós estamos com trabalho de UPP e tem sido muito bom para o Estado do Rio de Janeiro. Eu espero que nós tenhamos também manifestações escrito: ‘fora traficante, fora marginais’”, afirmou o major Nogueira, assessor da coordenadoria.

Desde a última quarta, quatro pessoas foram mortas, entre elas um menino de 10 anos e uma mulher que estava em casa com a filha. As outras duas vítimas fatais são suspeitas de envolvimento com o tráfico de drogas. Além deles, outras três pessoas ficaram feridas nos confrontos.

Eduardo de Jesus Ferreira, de 10 anos, brincava no celular na porta de casa nesta quinta (2), quando foi baleado. A família da criança acusa os policiais militares, que faziam uma operação na comunidade, de ter dado o tiro que matou Eduardo. Nesta sexta (3), a morte do menino gerou protesto de moradores na região. Houve confronto entre a PM, que lançou bombas de gás e spray de pimenta, e manifestantes.

Pelo menos outras duas pessoas foram atingidas por balas perdidas no Alemão desde a tarde desta quarta (1º) – uma mulher morreu e a filha dela ficou ferida. No total, além de Eduardo, outras seis pessoas foram baleadas em dois dias – três morreram. Há cerca de 90 dias seguidos os moradores do Alemão convivem com intensos tiroteios.

Moradores se concentram para protesto no alemão (Foto: Renato Moura/Jornal Voz da Comunidade)

Pela manhã, uma base da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), na Rua Canitá, foi atacada. Janelas da unidade, que funciona dentro de um contêiner, foram quebradas. Segundo o CPP, pessoas não identificadas também colocaram fogo em uma caçamba de lixo que fica ao lado da unidade. O fogo em um colchão chegou a atingir uma parte da base.

Alemão tem Via Sacra apesar de dia tenso na sexta-feira
A tradicional via sacra, que acontece todos os anos na Sexta-feira da Paixão no Alemão, precisou mudar de trajeto e teve um número bem menor de seguidores este ano.

Tradicional via sacra que acontece no conjunto de favelas do Alemão na Sexta-feira da Paixão (Foto: Jornal Renato Moura / Voz da Comunidade)

Diante da violência e das mortes que ocorreram na região nos últimos dias, nesta sexta, ao invés de fazer o tradicional percurso pelas ruas da Alvorada, a procissão ocorreu na Estrada do Itararé, no entorno da comunidade.

Segundo René Silva, criador do jornal Voz da Comunidade, esse ano o número de fiéis que seguiram a procissão também diminuiu. “Foi um número bem menor de pessoas, diferente dos outros anos”, afirmou.

PM não descarta ocupação 'completa'
A Coordenadoria de Polícia Pacificada (CPP) informou na tarde desta sexta-feira (3) que não descarta uma ocupação completa no Conjunto de Favelas do Alemão, na Zona Norte. Na quinta (2), a CPP anunciou que iniciava um reforço no policiamento com a atuação de policiais do Comando de Operações Especiais (COE), do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), do Batalhão de Polícia de Choque (BPChq) e do Batalhão de Ações com Cães (BAC) - reforçam, desde ontem, o policiamento no Complexo do Alemão. Um centro de comando do COE, instalado na Coordenadoria de Polícia Pacificadora, monitora a ação das forças especiais e avaliará se será necessária uma ocupação completa.

A CPP informou ainda que o contêiner da Base Avançada do Alemão, que fica na Rua Canitar, será retirado. Em seu lugar está sendo montado um ponto de fortificação. Na sede administrativa da UPP Nova Brasília também está sendo instalado um ponto de fortificação. O contêiner será retirado futuramente. A Coordenadoria da Polícia Pacificadora avalia a necessidade de mais pontos de fortificação e instalações de cabines blindadas.

 
 
 
 
 
 

G1