Coreia do Sul responde a disparos da Coreia do Norte com artilharia pesada

Coreia do Sul responde a disparos da Coreia do Norte com artilharia pesada

O exército sul-coreano disparou dezenas de obuses de artilharia pesada para o território norte-coreano na manhã desta quinta-feira, alegadamente em resposta a um primeiro ataque de projéctil de Pyongyang. O Norte não respondeu às salvas de artilharia do Sul e, segundo o Ministério da Defesa de Seul, não há registo de feridos ou mortos.

O primeiro ataque, norte-coreano, ao início da manhã desta quinta-feira, quis atingir um dos altifalantes de fronteira, instalados pelo Governo sul-coreano, que transmitem mensagens de propaganda anti-regime para lá do paralelo 38. O projéctil, segundo o Ministério da Defesa de Seul, não atingiu o aparelho ou militares, e caiu na zona ocidental da fronteira, a cerca de 60 quilómetros da capital do país. Por precaução, o exército exigiu que os habitantes evacuassem a zona.

Não há notícias de novos disparos depois da resposta sul-coreana, que usou munições pesadas de 150 milímetros, mas a agência de notícias de Seul, a Yonhap, avança que o exército está no nível de alerta máximo e que o conselho de segurança nacional se reuniu de emergência.

No início de Agosto, dois soldados sul-coreanos ficaram feridos na explosão de uma mina na zona desmilitarizada. Seul acusou Pyongyang de ter plantado o explosivo, mas o Norte nega ter sido responsável. Todos os anos há vários registos de pequenas agressões do Norte contra o exército sul-coreano, mas uma resposta armada do Sul da fronteira é mais rara.

De acordo com a Reuters, o Governo sul-coreano decidiu retomar a propaganda anti-Pyongyang a partir de altifalantes no seu território como resposta ao episódio da mina na zona desmilitarizada. Seul já não utilizava esta táctica desde 2004.  

*Texto mantido no idioma original. 

 

 

 

Público PT