Conselheiro da OMS diz que mais casos de ebola podem ser esperados em equipes médicas

Conselheiro da OMS diz que mais casos de ebola podem ser esperados em equipes médicas
O infectologista belga e descobridor do vírus do ebola, Peter Piot, especialista mundial na doença e conselheiro científico da Organização Mundial da Saúde (OMS), alertou em uma coletiva de imprensa nesta terça-feira que mais casos de ebola podem ser esperados em equipes médicas - mesmo em países desenvolvidos com sistemas de saúde modernos.

Piot disse não estar surpreso que a enfermeira espanhola, primeiro caso registrado de infecção fora da África Ocidental, tenha contraído a doença. Após a confirmação do contágio, na segunda-feira, mais de 50 pessoas ficaram e permanecem sob observação na Espanha.

 

Os especialistas da OMS têm insistido que os hospitais modernos, com medidas de controle da doença rigorosa, permitiriam a prevenção da infecção, mas a situação atual mostra que tem sido mais difícil.

Segundo Piot, mesmo o movimento mais simples, como esfregar os olhos, é um risco:

- O menor erro pode ser fatal - afirmou. - Por exemplo, um momento muito perigoso é quando você sai da unidade de isolamento e tira o equipamento de proteção, cheio de suor.

Ele disse, ainda, que não ficou surpreso com o caso da enfermeira em Madri e espera mais casos na Europa e nos EUA, embora ele não esperasse ver a doença espalhar tão rapidamente como ocorre na África.

 

Segundo a imprensa espanhola, vizinhos da enfermeira Teresa Romero Ramos ligaram para os serviços de emergência, perguntando como devem proteger seus filhos após terem compartilhado com ela elevadores e espaços públicos.

Já o primeiro-ministro do país, Mariano Rajoy, pediu calma e cuidado, prometendo “transparência total”.

- Deixe os profissionais fazerem seu trabalho. O sistema de saúde da Espanha é um dos melhores do mundo - disse ao Parlamento nesta quarta-feira.


 
 

O Globo