Comissão que acompanha transposição do São Francisco apresenta relatório final nesta quarta

Comissão que acompanha transposição do São Francisco apresenta relatório final nesta quarta

Após dois anos de trabalho, a comissão externa do Senado que acompanha os programas de transposição e revitalização do Rio São Francisco se reúne nesta quarta-feira (17), às 14h30, para apresentação do relatório final.

A comissão foi proposta pelo senador Cícero Lucena (PSDB-PB) que é o seu atual vice-presidente.

Em novembro de 2012 a comissão foi instalada com a finalidade de acompanhar, inicialmente no prazo de 12 meses, todos os atos, fatos relevantes, normas e procedimentos referentes às obras do Projeto de Integração do Rio São Francisco com as Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional, bem como o programa de revitalização. O prazo final foi prorrogado.

Durante os dois anos de funcionamento foram realizadas várias audiências públicas. A última foi em maio deste ano com a presença do ministro da Integração Nacional, Francisco Teixeira; da secretária de Fiscalização de Obras do Tribunal de Contas da União (TCU), Juliana Pontes Monteiro de Carvalho; e do diretor de Auditoria da Secretaria Federal de Controle Interno da Controladoria Geral da União (CGU), Wagner Rosa da Silva.

Em agosto de 2013, a comissão fez diligência na cidade de Monteiro (PB) e presenciou a assinatura da ordem de serviço no valor de R$ 700 milhões para início da Meta 3 do eixo leste. A adutora do agreste e o canal de transposição em Serra Talhada (PE) também receberam a visita dos senadores que promoveram um debate com diversas autoridades.

No último dia 8 a comissão acompanhou o andamento das obras nos municípios de Campina Grande e Monteiro, na Paraíba e em Juazeiro do Norte e São José de Piranhas, no Ceará. Estiveram presentes os senadores Vital do Rêgo (PMDB-PB), Humberto Costa (PT-PE) e Cícero Lucena.

Projeto
Segundo o Ministério da Integração Nacional, 68,7% das obras estão concluídas. Nos Eixos Norte e Leste a transposição está 100% contratada e em atividade, incluindo a primeira estação de bombeamento que iniciou a fase de testes em outubro.

O projeto tem 477 quilômetros, quatro túneis, 14 aquedutos, nove estações de bombeamento e 27 reservatórios. As obras iniciadas em 2007, com previsão para serem concluídas em três anos, devem ser finalizadas em dezembro de 2015. O custo total estimado aumentou de R$ 4,2 bilhões para R$ 8,2 bilhões.

 

 

Ascom