Comércio da PB deve abrir 5 mil vagas de emprego nas próximas semanas, diz Federação

Comércio da PB deve abrir 5 mil vagas de emprego nas próximas semanas, diz Federação

Cerca de cinco mil empregos diretos podem ser criados no comércio da Paraíba, tendo em vista as vendas para o Natal e Réveillon, segundo estimativa da Federação do Comércio Bens Serviços e Turismo da Paraíba (Fecomércio-PB). A entidade projeta um crescimento de até 5% nas vendas, em comparação com o período do ano passado. Para o Brasil, a Confederação Nacional do Comércio (CNC) estima 138,7 mil vagas de final de ano.

O presidente da Fecomércio-PB, Marconi Medeiros, explicou que, das quatro mil vagas, cerca de 1.500 vagas serão criadas em João Pessoa e o restante nos demais municípios, com destaque para Campina Grande, Patos, Guarabira, Sousa e Cajazeiras. Segundo ele, a previsão de efetivação é entre 40% e 50% a partir de janeiro de 2015. As contratações e treinamentos já começam em outubro, e o auge será em novembro. 

Marconi Medeiros atribui a necessidade das contratações ao aumento da cadeia de consumo, com o crescimento da população e da renda, que ocorrem a cada ano, principalmente na classe média, provocando o aumento das vendas e da necessidade de mais mão de obra para bem atender aos clientes.

“Este ano deveremos ter um crescimento entre 3% e 5% nas vendas, podendo ser maiores em setores isolados, de forma que o impacto nas lojas leva a uma necessidade de mais cerca de cinco mil empregos diretos”, disse o presidente.

Calçados e vestuários

Sobre os setores que mais contratarão e efetivarão, ele destacou que “serão calçados e vestuários - masculinos e femininos, que, por sinal, são os campeões em vendas, seguidos de móveis, eletrodomésticos e eletrônicos”.

No Brasil

Dados da CNC indicam que a demanda sazonal por emprego no comércio varejista deverá levar o setor a oferecer 138,7 mil vagas de final de ano em 2014, número que corresponde a uma expansão de 0,8% em relação às vagas temporárias criadas para o Natal do ano passado, segundo estimativa da entidade. De acordo com os dados mais recentes do Caged, o comércio varejista acumula um saldo negativo de 78,2 mil postos de trabalho de janeiro a julho deste ano.

Portanto, assim como no ano passado, caberá ao emprego temporário de final de ano a reversão do déficit de vagas em 2014. A temporada de contratação compreende os meses de setembro, outubro e, principalmente, novembro, mês que costuma concentrar 65% das contratações temporárias de final de ano.

O Natal é a principal data comemorativa do varejo, com previsão de movimentação financeira de R$ 32,5 bilhões em 2014 – 3,0% a mais que no Natal do ano passado em termos reais, segundo estimativas da própria Confederação. Em 2013, as vendas natalinas cresceram 5,1%. Os maiores aumentos de vendas deverão ocorrer nos segmentos de farmácias e perfumarias (6,9%) e artigos de usos pessoal e doméstico, como eletrônicos, brinquedos e material esportivo (7,5%).

Com previsão de criação de 67,6 mil vagas, o ramo de vestuário e calçados deverá responder por quase metade (48,7% do total) das vagas a serem criadas no varejo no final de ano.

 

 

Portal Correio