Com prejuízo de R$2 bilhões, GOL suspenderá voos para EUA em 2016

Com prejuízo de R$2 bilhões, GOL suspenderá voos para EUA em 2016

Gol deixará de fazer voos regulares para os Estados Unidos a partir de fevereiro de 2016.

O anúncio foi feito na quinta-feira, 12, pela companhia, que divulgou prejuízo líquido de R$ 2,13 bilhões no terceiro trimestre do ano, o maior já registrado em um trimestre fiscal pela aérea, de acordo com dados da Economática.

A retirada dos voos para o mercado americano faz parte de uma série de medidas adotadas pela empresa para tentar recuperar sua rentabilidade.

 

Hoje, a Gol opera 14 frequências semanais para Miami e Orlando, com escala no Caribe. Essas operações serão sazonais a partir de 19 de fevereiro.

"Eles não serão mais voos diários regulares. Vamos oferecer essas rotas nos meses em que há mais demanda turística", explicou o presidente da Gol, Paulo Kakinoff.

Na prática, as rotas para os Estados Unidos vão funcionar como voos extras para a alta temporada, que poderão ser abertos (ou não) para atender demandas de curto prazo.

Kakinoff disse que a empresa continuará voando para o Caribe, mas a oferta deverá ser reduzida pela retirada dos voos para os Estados Unidos.

A companhia confirmou na quinta que voará para Cuba em 2016, ainda sem data definida, e anunciou que pretende ampliar as frequências para a Argentina, especialmente a partir das capitais do Nordeste. "A mudança de cenário econômico exige respostas mais rápidas na nossa oferta de destinos", explicou.

Com o rearranjo da malha, a companhia área reduzirá entre 7% e 8% sua oferta de passagens aéreas nos voos internacionais no quarto trimestre deste ano. A empresa também cortará frequências nos voos domésticos, sem deixar de operar em nenhuma cidade. Ao todo, a empresa promoverá uma redução de 5% a 7% na oferta nacional entre outubro e dezembro.

A decisão de voar menos reduzirá a frota da Gol. A empresa anunciou que vai adiar a entrega de novos aviões e alugar mais aeronaves para empresas aéreas europeias no ano que vem.

O anúncio de quinta mostra que a Gol vai intensificar um movimento de retirada de capacidade do mercado, que ocorre como reação à crise econômica. A empresa sente no caixa a pressão do dólar, moeda que define cerca de 60% dos seus custos, e prevê fechar o ano com margem estável a negativa.

A variação cambial também é responsável por 67,5% do prejuízo líquido, fruto da correção da dívida em dólar no balanço financeiro, mas que não afeta o caixa no curto prazo.

Reação

O mercado reagiu bem aos anúncios e a ação da Gol subiu 2,28% na quinta, a terceira maior alta do Ibovespa. Para o analista do banco JPMorgan, Fernando Abdalla, a suspensão dos voos para os Estados Unidos foi correta.

"O preço da passagem está muito deteriorado e não cobre os custos da operação", disse, explicando que a Gol deveria oferecer preços ainda mais baixos que suas concorrentes para ser competitiva. Isso porque a rota da Gol tem escala no Caribe, pois o avião não tem autonomia para fazer um voo direto até os EUA.

A Gol começou a voar regularmente aos Estados Unidos no segundo semestre de 2012. De lá para cá, diversas companhias ampliaram a oferta na mesma rota. "Com o dólar alto, o número de passageiros internacionais cai e há excesso de oferta", diz o consultor de transporte aéreo Jorge Leal.

A Azul, por exemplo, voa para Miami e Orlando de Campinas desde dezembro de 2014, mas adiou planos de expansão para os Estados Unidos. Voos para Orlando saindo de Guarulhos e o lançamento de voos para Nova York estão na geladeira.

Já a American Airlines, que oferece 98 voos semanais a partir de dez cidades brasileiras, deixará de voar com regularidade para Curitiba e Campinas em fevereiro. A empresa diz que a decisão é fruto de estudos sobre o desempenho do mercado. 

 

 

 

EXAME