Com lindo passe de Neymar, Brasil vence Equador em jogada de treino

Com lindo passe de Neymar, Brasil vence Equador em jogada de treino

4 de setembro, treino da seleção brasileira numa universidade de Miami. Numa cobrança de falta ensaiada, Willian entra pela esquerda e faz o gol numa finalização cruzada, no canto.

9 de setembro, Brasil x Equador em Nova Jersey. Numa cobrança de falta ensaiada, Willian entra pela esquerda e faz o gol numa finalização cruzada, no canto.

O gol da Seleção na vitória por 1 a 0 sobre o Equador não foi um acaso. Foi tão ensaiado que o auxiliar Andrey Lopes pulou nas costas de Dunga na comemoração. Deve ser uma satisfação especial para a comissão técnica ver o treino se materializar dessa forma no jogo. Não há como negar o dedo do treinador em novo triunfo após a Copa do Mundo.

De Oscar para Neymar, dele para Willian, daí para o gol. O segundo da segunda era Dunga, o segundo oriundo de bola parada. "Culpa" do atacante do Barcelona, para o bem e para o mal. Se Neymar sai dos Estados Unidos com um golaço de falta e uma assistência na bagagem, também deixa para trás chances incríveis desperdiçadas. É injusto dizer que a equipe dependeu das bolas paradas para criar.

A arrancada do camisa 10 terminou em chute pra fora. A finalização após bom cruzamento de Danilo, incrível, bateu no travessão. Ele estava sozinho na pequena área.

É possível dividir a partida entre “Brasil com a dupla do Chelsea” e “Brasil com a dupla do Cruzeiro”. O primeiro era mais entrosado, mais pragmático e corria risco quase zero. Quase porque Enner Valencia, autor de três gols na Copa do Mundo, acertou a trave de Jefferson.

Com participação de todo o time na recomposição defensiva, o Equador não ameaçou e a Seleção teve campo enorme para contra-atacar. Mas o gol no primeiro tempo só saiu, mesmo, na jogada ensaiada.

O Brasil cruzeirense era mais habilidoso, mais surpreendente, porém mais desprotegido. Isso é fácil de explicar. Everton Ribeiro e Ricardo Goulart, que substituíram Oscar e Willian, são muito bons, mas lhes falta a maturidade tática do futebol europeu. O primeiro armou ótimas jogadas e quase fez um golaço por cobertura, enquanto Goulart mostrou em alguns momentos o ímpeto de entrar na área que o caracteriza no Campeonato Brasileiro.

Com eles e o cansaço, os setores ficaram menos compactos. O Equador cresceu no jogo. Filipe Luís evitou em cima da linha que a cabeçada de Valencia entrasse, e a dupla de zaga formada pela experiência de Miranda e a juventude de Marquinhos mostrou-se sólida, eficaz. Foram ótimos.

Se mais de 73 mil pessoas foram ao estádio em Miami, contra a Colômbia, dessa vez o público de 35.975 viu um jogo amarrado pela grama natural sobre a superfície sintética. A bola não corria tampouco quicava.

A Seleção voltará a campo no dia 11 de outubro, no Superclássico das Américas. O jogo contra a Argentina será em Pequim, na China. Valerá título e poderá ter todos os jogadores dos países. Isso significa Neymar, Messi, Di Maria... Será o terceiro confronto sul-americano com Dunga no comando. Até lá, tempo para o Brasil ensaiar novas jogadas e se libertar da bola parada.

FICHA TÉCNICA
BRASIL Jefferson, Danilo (Gil), Miranda, Marquinhos e Filipe Luís; Luiz Gustavo (Fernandinho), Ramires (Elias), Oscar (Éverton Ribeiro) e Willian (Ricardo Goulart); Neymar e Diego Tardelli (Philippe Coutinho). Técnico: Dunga

EQUADOR Domínguez, Paredes, Cangá, Erazo e Walter Ayoví; Ibarra (Martínez), Castillo, Noboa e Somoza (Martínez ); Cazares (Angulo) e Enner Valencia. Técnico: Sixto Vizuete

Data: 09/09/2014 (terça-feira)
Horário: 22h (de Brasília)
Local: MetLife, em Nova Jersey (EUA)
Árbitro: Edvin Jurisevic (EUA) Auxiliares: Frank Anderson e Peter Manikowski (EUA)
Cartão amarelo: Erazo (Equador)

Gol: Willian, aos 30 do primeiro tempo

 

Globoesporte