Collor nega envolvimento com doleiro preso pela operação Lava Jato

Collor nega envolvimento com doleiro preso pela operação Lava Jato

O senador Fernando Collor de Melo (PTB-AL), ex-presidente da República, afirmou nesta segunda-feira (26) em discurso no plenário do Senado que não mantém qualquer relação política ou pessoal com o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal (PF) sob suspeita de participar de esquema de lavagem de dinheiro que movimentou cerca de R$ 10 bilhões.

“Quanto ao Youssef, posso afirmar de modo categórico que não conheço e jamais mantive com ele qualquer relacionamento de ordem pessoal e política”, declarou Collor.

O senador também apontou em seu discurso para o fato de não haver indício nos inquéritos da Polícia Federal de seu envolvimento no caso.

Esta foi a primeira vez que Collor se pronunciou sobre as denúncias de que teria sido beneficiado com dinheiro pago pelo doleiro. Na última quinta-feira (22), o juiz federal do Paraná Sérgio Moro informou ao ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), que a PF apreendeu no escritório de Youssef oito comprovantes de depósitos bancários que tiveram Collor como beneficiário.

Collor afirmou que as informações divulgadas pela imprensa se devem ao fato de os meios de comunicação estarem “inconformados” e “desiludidos” com a sua absolvição, em abril, pelo Supremo das acusações de peculato, corrupção passiva e falsidade ideológica.

“O principal teor do expediente do ministro Sergio Moro ao ministro Teori Zavascki foi sua taxativa declaração de que não há qualquer envolvimento meu nos oito inquéritos  da Polícia federal vinculados àquela operação [Lava Jato]. E isso é de fundamental e importância e merece realce”, disse Collor.

No ofício de Moro ao ministro do STF, o magistrado O magistrado ressalvou "que não há qualquer indício do envolvimento do referido parlamentar nos crimes"  referentes à Operação Lava Jato sob apuração na Justiça Federal.Em discurso no plenário do Senado, Collor nega ter relação com Alberto Youssef

O senador Fernando Collor de Melo (PTB-AL), ex-presidente da República, afirmou nesta segunda-feira (26) em discurso no plenário do Senado que não mantém qualquer relação política ou pessoal com o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal sob suspeita de participar de esquema de lavagem de dinheiro que movimentou mais de R$ 10 bilhões.

Esta foi a primeira vez que Collor se pronunciou sobre as denúncias de que ele foi beneficiado com dinheiro pago pelo doleiro. Na última quinta-feira (22), o juiz federal do Paraná Sérgio Moro informou ao ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), que a PF apreendeu no escritório de Youssef oito comprovantes de depósitos bancários que tiveram Collor como beneficiário.

Collor afirmou que as informações divulgadas pela imprensa se devem ao fato de os meios de comunicação estarem “inconformados” e “desiludidos” com a sua absolvição, em abril, pelo Supremo das acusações de peculato, corrupção passiva e falsidade ideológica.

“Quanto ao Youssef, posso afirmar de modo categórico que não conheço e jamais mantive com ele qualquer relacionamento de ordem pessoal e política”, declarou Collor. O senador também apontou em seu discurso para o fato de não haver indício nos inquéritos da Polícia Federal de seu envolvimento no caso.

“O principal teor do expediente do ministro Sergio Moro ao ministro Teori Zavascki foi sua taxativa declaração de que não há qualquer envolvimento meu nos oito inquéritos  da Polícia federal vinculados àquela operação [Lava Jato]. E isso é de fundamental e importância e merece realce”, disse Collor.

No ofício de Moro ao ministro do STF, o magistrado O magistrado ressalvou "que não há qualquer indício do envolvimento do referido parlamentar nos crimes"  referentes à Operação Lava Jato sob apuração na Justiça Federal.

G1