Ciro Gomes: Governo Temer seria um desastre. Ele é o chefe da quadrilha

Ciro Gomes: Governo Temer seria um desastre. Ele é o chefe da quadrilha

"O Brasil não precisa de um pacificador". Com seu estilo combativo, o provável candidato a presidente em 2018, Ciro Gomes (PDT), falou sobre política e não poupou ninguém. Para Ciro, a presidente Dilma Rousseff (PT) é "honesta, mas errou", o ex-presidente Lula (PT) tem a "moral frouxa" e o vice-presidente Michel Temer (PMDB) é o "chefe da quadrilha". A entrevista foi dada na manhã desta quinta-feira (14) no programa de Geraldo Freire, na Rádio Jornal.

Ciro Gomes defendeu a presidente e afirma que ela é "uma senhora honrada", mas que coemteu o erro de querer fazer um governo sério com as pessoas erradas. Nas palavras do ex-governador do Ceará, ela recebeu um "governo mestiço de Lula". Sobre Lula, classifica que o ex-presidente aprendeu a fazer

política com os paulistas e tem "a moral frouxa", parecido inclusive com o modo de fazer política do também ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

Para Ciro Gomes, um possível governo do vice Michel Temer (PMDB) seria uma "desastre". "Ele não tem legitimidade e vai ascender por um caminho considerado como golpe", frisou. Ciro afirma ainda que "Temer é chefe da quadrilha é sócio íntimo de Eduardo Cunha (PMDB) em tudo que não presta. Temer está enrolado até o gogó na Lava Jato", disparou.

Ciro Gomes afirma ainda que a presidente Dilma não precisa esperar uma vitória no processo de impeachment no próximo domingo (17) para mudar de rumo. "O presidencialismo tem muita força. Dilma pode mudar tudo hoje, mas governo é paralisado, sem imaginação", declarou. Para o ex-ministro,
o governo Dilma ganhou com as forças da esquerda, mas governa "para o outro lado".Ele ainda acredita que Dilma "perdeu as ruas": "Não foi por falta de negociação. O PMDB teve sete ministérios. Todos aliados,como ratos, estão saindo agora", disse.

ELEIÇÕES 2018 

Candidato a presidente em 1998 e 2002, Ciro Gomes pode se lançar ao posto pela terceira vez em 2018. "Se eu for candidato, eu vou pra fazer história", disse, apesar de afirma que ainda não se decidiu se vai para a disputa. 

Sobre o fato de estar atrás do deputado Jair Bolsonaro (PSC) nas pesquisas de itenção de voto, Ciro acredita que ainda falta muito tempo para as eleições. "Bolsonaro representa uma direita que sempre votou escondida com o PSDB e agora tem um candidato que fala todas essas besteiras. Não é assim que as eleições vão acontecer", afirmou.


LAVA JATO E IMPEACHMENT

Quando perguntado sobre o trabalho do juiz Sérgio Moro, condutor da Operação Lava Jato, Ciro considera que Moro "é um bom juiz", mas que é muito jovem e que está sendo influenciado pela mídia e cometendo erros graves: "A condução coercitiva de Lula foi ilegal, assim como a divulgação dos grampos telefônicos de Lula e Dilma. Moro está cometendo erros fortes", afirmou.

Já em relação á votação do impeachment no próximo domingo, Ciro diz que "tudo pode acontecer" e que a oposição tenta, com apoio da imprensa de São Paulo, criar um clima extramamente favorável ao impedimento da petista. Ele tem confrontos do lado de fora do Parlamento: "Este irresponsável, esse canalha do Eduardo Cunha marcou a votação para um domingo e podemos ter mortes na frente do Congresso", alertou Ciro.

 

 

 

 

Uol;Rádio Jornal/PE