Chove na cidade de Piancó e em toda a região

Chove na cidade de Piancó e em toda a região

Chove em todo o Vale do Piancó e  em  alguns municipios a pluviometria já resgistrou até 120 mm de chuvas. Na cidade de Piancó chove desde a noite de domingo(17), quando foi registrado uma média de 30mm. Ainda permanece chovendo na região, porém, os açudes continuam abaixo de sua capacidade. A madrugada desta terça-feira foi chuvosa e o segue nublado. Segundo a AESA a previsão é de mais chuvas para todo o sertão 

 

Aesa divulga previsão para o trimestre

A Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba, através da Gerência de Monitoramento e Hidrometria, órgão vinculado à Secretaria de Estado da Infraestrutura, dos Recursos Hídricos, do Meio Ambiente e da Ciência e Tecnologia, em conjunto com a Unidade Acadêmica de Ciências Atmosféricas da Universidade Federal de Campina Grande, realizaram, no dia 15 de janeiro de 2016, a I REUNIÃO TÉCNICA DE ANÁLISE E PREVISÃO CLIMÁTICA PARA O SETOR NORTE DA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL, PARA O PERÍODO DE FEVEREIRO a ABRIL de 2016. Para tal, foram analisadas as condições regionais da pluviometria e globais dos oceanos e da atmosfera, bem como os resultados de modelos numéricos de previsão sazonal. A reunião contou com a palestra de meteorologistas da Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba, da Agência Pernambucana de Águas e Clima, da Empresa de Pesquisas Agropecuária do Rio Grande do Norte e da Unidade Acadêmica de Ciências Atmosféricas da Universidade Federal de Campina Grande.

 

CONDIÇÕES OCEÂNICAS E ATMOSFÉRICAS GLOBAIS

As atuais configurações oceânicas e atmosféricas globais indicam a persistência do fenômeno El Niño-Oscilação Sul (ENOS) de intensidade moderada na região do oceano Pacífico equatorial. No entanto, os resultados das análises climáticas indicam um gradativo enfraquecimento deste fenômeno a partir do mês de março de 2016.

Por outro lado, o oceano Atlântico também se apresenta como um importante condicionante da variabilidade climática no semiárido nordestino, em particular do estado da Paraíba. Atualmente, as condições demonstram uma tendência de favorecimento à ocorrência de chuvas no decorrer dos próximos meses. Porém, tal situação implica num contínuo monitoramento, tendo em vista à grande variabilidade com que se comporta este oceano.

 

TENDÊNCIA CLIMÁTICA PARA O TRIMESTRE DE FEVEREIRO A ABRIL

Grande parte dos modelos oceânicos e atmosféricos, assim como os modelos acoplados oceano-atmosfera de instituições nacionais e internacionais indicam tendência de chuvas variando entre normais a abaixo da normal sobre o setor norte do Nordeste Brasileiro.

Vale salientar que a evolução atual dos campos atmosféricos e oceânicos apresenta uma tendência favorável a melhoria da qualidade do período chuvoso a partir do mês de março. Ressalta-se que essa tendência dependerá de como se comportarão as condições térmicas nos oceanos Atlântico e Pacífico.

 

CONSIDERAÇÕES COMPLEMENTARES SOBRE O PROGNÓSTICO

É importante ressaltar que o semiárido nordestino tem como característica a alta variabilidade espacial e temporal dos índices pluviométricos. Com isto, a ocorrência das chuvas ficará altamente dependente da formação de fenômenos meteorológicos transientes, os quais poderão influenciar quantitativamente na ocorrência das chuvas. Sendo assim, é de fundamental importância, o monitoramento contínuo das condições oceânicas e atmosféricas globais.

 

 

Vale News PB